Horizontal List

PM Rui Araujo
Investir no futuro de Timor-Leste
FUTURO
Timor-Leste acolheu a mais recente reunião trilateral da plataforma para o Desenvolvimento Económico Sub-Regional Integrado entre Timor-Leste, Indonésia e Austrália

Ai-han Timor Nian
Ramos-Horta
"Tantangan Timor Leste Makin Berat"
ECONOMIA
"..fo-hanoin ba ukun nain sira nebe tinan tinan truka hela deit ministrus, atu hare ba povu nia moris nebe "kuaze 50%" povu sei moris iha linha pobreza nia laran..."
Australia-Timor Leste
Notre Dame students experience the world and help those in need in Timor-Leste
Empresários - Timor Telecom
Empresários timorenses e fundo das Fiji na corrida pela Timor Telecom
Timor-Leste - BAII
Timor-Leste inicia processo de adesão ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas
Timor-Leste - Maluku
Maluku kaji kerja sama dengan Timor Leste

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Timor-Leste tax auditing firmly aligned to the global policy of the G7 and Australia

Chevron and Conoco Phillips, both multinational resource companies, are preparing this month to battle against imposed payments for back taxes, interest and penalties. Chevron is disputing the Australian Tax Office over $268 million in taxes, interest and penalties, whilst Conoco Phillips is disputing Timor-Leste over a similar amount on assessments for back taxes, interest and penalties after an extensive audit conducted by the National Petroleum Revenue Directorate. Both cases are examples of a new global effort by G7 countries and other Governments across continents to hold multinational companies accountable for tax liabilities.

Chris Jordan, the new Tax Commissioner for Australia, said in an interview with The Australian Financial Review, “Companies will realize times have changed – they’ve had a good run but they’ve got to start paying tax where they make their money.” Mr. Jordan has pledged to scrutinize multinational companies for their offshore dealings, particularly on transfer pricing as well as putting pressure on companies for their tax minimization practices. Mr. Jordan has pushed his global counterparts to work more closely and share information.  Timor-Leste applauded the newly appointed Australian Tax Commissioner’s call to action. After six years of Timor-Leste’s unsuccessful attempts to work out an information sharing agreement with Australia on joint taxpayers in the Timor Sea, the new climate could dramatically improve joint efforts in collection and compliance over the long-term horizon.

The quest to hold resource companies like Chevron and Conoco Phillips as well as other international giants like Sony and Google liable for tax obligations is part of a global effort launched by the G7 in May, 2013. The Group of Seven nations; the United States, Germany, Japan, the UK, Italy, France and Canada agreed on the need to toughen international rules to prevent corporations avoiding taxes, with larger worldwide efforts to prevent tax evasion that denies governments of billions of dollars. The G7’s European members; the UK, France, Germany and Italy, urged fellow European Union nations to agree to improve information sharing to stop tax avoidance. This will strengthen the ability of smaller, resource rich countries, many who have joint agreements with other nations, to ensure ongoing tax compliance.

Chancellor of the Exchequer George Osborne said “It is incredibly important that companies and individuals pay the tax that is due and this important not just for British taxpayers but also important for many developing countries as well.”

Agio Pereira noted “Timor-Leste is a new country and while our institutions are young, we are entrusted as a Government to continually fulfill our obligations to the People of Timor-Leste which includes those normal functions of all Governments who continually conduct audits to ensure tax obligations are met. Timor-Leste re-confirms that our Government is firmly aligned to the global objectives of the G7 and we look forward to a long term and robust framework of information sharing under the leadership of the new Tax Commissioner of Australia Mr. Chris Jordan.”

Díli, August 23, 2013


Minister of State and of the Presidency of the Council of Ministers and
Official Spokesperson for the Government of Timor-Leste


domingo, 18 de agosto de 2013

Another last frontier: Investing in East Timor?

By Dr Arno Maierbrugger/investvine.com
12:48 AM 18 August 2013

A Southeast Asian country quite off the radar of the international community is East Timor, the former Portuguese colony that got independent from Indonesia only in May 2002 after a freedom fight that involved heavy losses.

However, East Timor in the past 11 years was not dormant and the fighting was done for a reason: The country sits on substantial oil reserves in the Timor Sea which are jointly exploited with Australia, and on August 14, 2013 it announced that its sovereign wealth fund, the Timor-Leste Petroleum Fund, has reached a value of $13.6bn, surpassing the oil funds’ value of both Bahrain and Oman!

This is an amazing number for an almost forgotten country of just 1.2mn people where around 40% still live below the poverty line of $1.25 a day. The fund alone could, straight away, grant every citizen more than $11,300 as a one-time payment from the oil wealth.

But, in fact, the money can be used in a better way. The nation now plans to upgrade its infrastructure with state investments of up to $1bn, according to the country’s Prime Minister Xanana Gusmao, as it is in dire need to rebuild its non-oil economy that was completely crippled during the independence war.

The government said it will be upgrading about 3,000km of roads and plans to build two ports in the next five years. It will also have to rebuild schools and hospitals as well as the power grid and the irrigation system, much of which was destroyed during a rampage by Indonesian militia in 1999 after the country voted in a referendum to end 24 years of Indonesian occupation.

This is where opportunities for foreign investors come into play. The infrastructure investment is part of a 20-year development plan initiated by Gusmao that aims to establish a more diversified economy and turn the nation into a middle-income country.

The government also has introduced an investment law that provides incentives for foreign investors in fields such as mining, aquaculture, forestry, agriculture and food processing. Several areas on East Timor’s territory have also been marked as industrial parks that can be accessed by foreign investors and are eligible for tax incentives.

It is worth mentioning that East Timor’s non-oil sector is also in need for diversification. Coffee currently accounts for around 90% of non-oil merchandise exports, and Starbucks is one of the largest customers. There has been little onshore minerals exploration, but gold, manganese and marble have been identified as potential resources. These industries are under-developed and would greatly benefit from international investment and development – once the infrastructure is in place.

Is East Timor worth a look for Gulf investors? Let us know through Twitter: @insideinvestor using hashtag #gulftimes.

Our columnist Dr Arno Maierbrugger is Editor-in-Chief of www.investvine.com, a news portal owned by Inside Investor focusing on Southeast Asian economic topics as well as trade and investment relations between Asean and the GCC. The views expressed are his own.

www.gulf-times.com

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Japão vai financiar reconstrução de ponte em Timor-Leste

2013/08/16    NOTÍCIAS

O Japão vai financiar a reconstrução de uma ponte na região sul de Timor-Leste, nos termos de um acordo de financiamento no montante de 11 milhões de dólares quinta-feira assinado, disse quinta-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, José Luís Guterres.

“É um acordo para a reconstrução de uma ponte em Zumalai, que é muito importante porque permite a ligação à costa sul e é estratégica por que nessa costa sul vão surgir diversas indústrias ligadas ao petróleo e ao gás”, disse ainda o ministro timorense, citado pela agência noticiosa portuguesa Lusa.

No final da cerimónia de assinatura do documento, José Luís Guterres salientou que a ponte, uma vez construída, irá beneficiar igualmente a população local que, na época das chuvas, não consegue atravessar a ribeira que atravessa a região.

Esta é a segunda vez que o Japão recupera a ponte de Mola, aldeia onde fica situada, construída em 1996, durante a ocupação indonésia, e recuperada entre 2008 e 2011 para voltar a ser danificada pelas chuvas. (macauhub)

www.macauhub.com.mo

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Ricardo Cardoso Nheu - Secretário de Estado do Comércio

Ricardo Cardoso Nheu
Secretário de Estado do Comércio

No Secretário de Estado do Comércio são delegadas as seguintes competências: apreciar e licenciar projectos de instalações e de funcionamento de empreendimentos comerciais; inspeccionar e fiscalizar as actividades e os empreendimentos comerciais, nos termos da lei; manter e administrar um centro de informação e documentação sobre empresas e promover as regras internas e internacionais de normalização, metrologia e controlo de qualidade, padrões de medida de unidades e de magnitude física.

O Secretário de Estado do Comércio coadjuva o Ministro do Comércio, Indústria e Ambiente.

Ricardo Cardoso Nheu
Sekretáriu Estadu Komérsiu

Kompeténsia Sekretáriu Estadu Komérsiu nian maka hirak ne’ebé: apresia no fó lisensa ba projetu instalasaun no funsionamentu empriendimentu komersiál nian; halo inspesaun no fiskalizasaun ba atividade empriendimentu komersiál sira tuir lei; mantein no administra sentru informasaun no dokumentasaun nian ida kona-ba empreza sira no promove regra interna no internasionál kona-ba normalizasaun, metrolojía no kontrolu kualidade nian, padraun medida unidade nian no magnitude fízika nian.

Sekretáriu Estadu Komérsiu tulun Ministru Komérsiu, Indústria no Ambiente.


António da Conceição - Ministro do Comércio, Indústria e Ambiente

António da Conceição
Ministro do Comércio, Indústria e Ambiente

O Ministério do Comércio, Indústria e Ambiente é o órgão central do Governo responsável pela concepção, execução, coordenação e avaliação da política, definida e aprovada pelo Conselho de Ministros para as áreas actividades económicas comerciais e industriais e do sector cooperativo, bem como do ambiente.

Compete ao Ministro do Comércio, Indústria e Ambiente propor políticas e elaborar os projectos de regulamentação necessários às suas áreas de tutela; conceber, executar e avaliar as políticas do comércio, da indústria e do ambiente; contribuir para a dinamização da actividade económica, inclusive no que toca à competitividade nacional e internacional; apoiar as actividades dos agentes económicos, promovendo as diligências necessárias à valorização de soluções que tornem mais simples e célere a tramitação processual; apreciar e licenciar projectos de instalações e de funcionamento de empreendimentos comerciais e industriais; inspeccionar e fiscalizar as actividades e os empreendimentos comerciais e industriais, nos termos da lei; manter e administrar um centro de informação e documentação sobre empresas; propor a qualificação e a classificação dos empreendimentos industriais, nos termos da legislação aplicável; promover o desenvolvimento do sector cooperativo, principalmente nas áreas rurais e no sector da agricultura, em coordenação com o Ministério da Agricultura e Pescas; difundir a importância do sector económico cooperativo e das micro e pequenas empresas e promover a formação na constituição, organização, gestão e contabilidade de cooperativas e pequenas empresas; organizar e administrar um cadastro de cooperativas; organizar e administrar o registo da propriedade industrial; promover as regras internas e internacionais de normalização, metrologia e controlo de qualidade, padrões de medida de unidades e de magnitude física; elaborar a política ambiental e avaliar os resultados alcançados; promover, acompanhar e apoiar as estratégias de integração do ambiente nas políticas sectoriais; efectuar a avaliação ambiental estratégica de políticas, planos, programas e legislação e coordenar os processos de avaliação de impacto ambiental de projectos ao nível nacional, incluindo os procedimentos de consulta pública e assegurar, em termos gerais e em sede de licenciamento ambiental, a adopção e fiscalização das medidas de prevenção e controlo integrado da poluição pelas instalações por ela abrangidas.

O Ministro do Comércio, Indústria e Ambiente é coadjuvado pelo Vice-­Ministro do Comércio, Indústria e Ambiente, pelo Secretário de Estado do Comércio, pelo Secretário de Estado da Indústria e Cooperativas e pelo Secretário de Estado do Meio Ambiente.

António da Conceição
Ministru Komérsiu, Indústria no Ambiente

Ministériu Komérsiu, Indústria no Ambiente mak órgaun sentrál Governu nian ne’ebé iha responsabilidade atu halo konsepsaun, ezekusaun, koordenasaun no avaliasaun kona-ba polítika ne’ebé Konsellu Ministru define no aprova ba área sira hanesan atividade ekonómika komersiál no indústria no setór kooperativa nian, nune’e mós ambiente.

Ministru Komérsiu, Indústria no Ambiente iha kompeténsia maka hanesan: propoin polítika no elabora projetu regulamentasaun nian ne’ebé importante ba área sira ne’ebé sira fó tutela; dezenvolve, ezekuta no avalia polítika kona-bakomérsiu, indústria no ambiente; kontribui ba dinamizasaun atividade ekonómika nian, inklui ho sira ne’ebé iha relasaun ho kompetividade nasionál no internasionál; apoiu atividade ajente ekonómiku sira nian, no promove dilijénsia ne’ebé importante ba valorizasaun solusaun hirak ne’ebé maka halo tramitasaun prosesuál sai simples no lais liután; apresia no fó lisensa ba projetu instalasaun no funsionamentu empriendimentu komersiál no industriál nian; halo inspesaun no fiskalizasaun ba atividade empriendimentu komersiál no industriál sira tuir lei; mantein no administra sentru informasaun no dokumentasaun nian ida kona-ba empreza sira; propoin kualifikasaun no klasifikasaun empriendimentu industrial sira nian tuir buat ne’ebé bele aplika ho lei; promove dezenvolvimentu setór kooperativu nian, liu-liu iha área rurál sira no iha setór agrikultura nian, ho koordenasaun ho Ministériu Agrikultura no Peska; habelar importánsia setór ekonómiku kooperativu no mikro no empreza mikro no kiik sira no promove formasaun kona-ba oainsá harii, organiza, jere no halo kontabilidade kooperativa no empreza kiik sira nian; organiza no administra rejistu ida kona-ba kooperativa sira; organiza no administra rejistu kona-ba propriedade industriál; promove regra interna no internasionál kona-ba normalizasaun, metrolojía no kontrolu kualidade nian, padraun medida unidade nian no magnitude fízika nian; elabora polítika ambientál no halo avaliasaun ba rezultadu hirak ne’ebé alkansa ona; promove, akompaña no apoia estratéjia integrasaun ambiente nian iha polítika setoriál; halo avaliasaun ambientál estratéjika kona-ba polítika, planu, programa no lejizlasaun no koordena prosesu avaliasaun nian kona-ba impaktu ambientál husi projetu iha nível nasionál, inklui prosedimentu kona-ba konsulta públiku; asegura, iha termu jerál no iha sede lisensiamentu ambientál nian, adosaun no fiskalizasaun kona-ba medida prevensaun no kontrolu nian ne’ebé integradu husi poluisaun husi instalasaun ne’ebé nia abranje.

Ministru Komérsiu, Indústria no Ambiente helan tulun husi Vise-Ministru Komérsiu, Indústria no Ambiente, Sekretáriu Estadu Komérsiu, Sekretáriu Estadu Indústria no Kooperativa no Sekretáriu Estadu Ambiente.

Emília Pires - Ministra das Finanças

Emília Pires
Ministra das Finanças

O Ministério das Finanças é o órgão central do Governo responsável pela concepção, execução, coordenação e avaliação da política, definida e aprovada pelo Conselho de Ministros, para as áreas do planeamento e monitorização anual, do orçamento e das finanças.

A Ministra das Finanças tem competências para propor as políticas monetárias e cambiais em colaboração com o Banco Central; propor a política e elaborar os projectos de regulamentação necessários em matéria macroeconómica, de receitas tributárias e não tributárias, enquadramento orçamental, aprovisionamento, contabilidade pública, finanças públicas, auditoria e controlo da tesouraria do Estado, emissão e gestão da dívida pública; administrar o fundo petrolífero de Timor-Leste; coordenar os projectos e programas entre Timor-Leste e os parceiros de desenvolvimento, em ligação com o Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação; gerir a dívida pública externa, as participações do Estado e as parcerias para o Desenvolvimento, cabendo-lhe a coordenação e definição das vertentes financeira e fiscal; gerir o património do Estado, sem prejuízo das atribuições do Ministério da Justiça em matéria de património imobiliário; promover a política de gestão dos bens móveis do Estado, em colaboração com as demais entidades públicas competentes; gerir o fornecimento de bens aprovisionados para todos os ministérios; negociar, assinar e gerir a implementação de contratos de parcerias público-privadas, zelando pela sua avaliação financeira com vista a uma partilha adequada de riscos entre o Estado e o parceiro privado e a sustentabilidade do cada projecto; elaborar e publicar as estatísticas oficiais; promover a regulamentação necessária e exercer o controlo financeiro sobre as despesas do Orçamento Geral do Estado que sejam atribuídas aos demais ministérios, no âmbito da prossecução de uma política de maior autonomia financeira dos serviços; velar pela boa gestão dos financiamentos efectuados através do Orçamento Geral do Estado, por parte dos órgãos da administração indirecta do Estado e dos órgãos de governação local, através de auditorias e acompanhamento; coordenar a assistência técnica nacional e internacional no domínio da assessoria técnica aos órgãos do Governo, com exclusão das áreas de formação dos recursos humanos; desenvolver sistemas de informação de gestão financeira em todos os serviços e organismos da Administração Pública em articulação com o desenvolvimento do processo do e-government e estabelecer mecanismos de colaboração e de coordenação com outros órgãos do Governo com tutela sobre áreas conexas.

A Ministra das Finanças é coadjuvada pela Vice-Ministra das Finanças.


Emília Pires
Ministra Finansa

Ministériu Finansa hanesan órgaun sentrál Governu nian ne’ebé iha responsabilidade atu halo konsepsaun, ezekusaun, koordenasaun, no avaliasaun kona-ba polítika ne’ebé Konsellu Ministru define no aprova, ba área sira planeamentu no monitorizasaun anuál nian, kona-ba orsamentu no finansa.

Ministra Finansa iha kompeténsia hanesan tuir mai: propoin polítika monetária no kona-ba valór osan nian ho kolaborasaun ho Banku Sentrál; propoin polítika no elabora projetu regulamentasaun nian sira ne’ebé importante iha matéria makroekonomia, reseita tributária no la’ós tributária, enkuadramentu orsamentál, aprovizionamentu, kontabilidade públika, finansa públika, auditoria no kontrolu ba tezouraria Estadu nian, emisaun no jestaun kona-ba dívida públika; administra fundu mina-rai Timor-Leste nian; koordena projetu no programa sira entre Timor-Leste no parseiru dezenvolvimentu nian sira, iha ligasaun ho Ministériu Negósiu Estranjeiru no Kooperasaun; jere dívida públika esterna, partisipasaun sira Estadu nian no parseria ba dezenvolvimentu, hodi simu kompeténsia atu halo koordenasaun kona-ba parte finanseira no fiskál ninian; jere patrimóniu Estadu nian, sein prejudika knaar Ministériu Justisa iha matéria kona-ba patrimóniu imobiliáriu; promove polítika kona-ba jestaun bein imóvel sira Estadu nian, liuhusi kolaborasaun ho entidade kompetente públika sira seluk; jere fornesimentu bens ne’ebé aproviziona ona ba Ministériu hotu-hotu; negosia, asina no jere implementasaun kontratu kona-ba parseria públiku-privada, hodi tau-matan didi’ak ba ninia avaliasaun finanseira ho objetivu atu bele partilla risku ne’ebé adekuadu entre Estadu no parseiru privadu sira no ba sustentabilidade husi kada projetu; elabora no publika estatístika ofisiál sira; promove regulamentasaun ne’ebé importante no ezerse kontrolu finanseiru kona-ba despeza sira husi Orsamentu Jerál Estadu nian ne’ebé fó ba Ministériu sira, iha ámbitu prosekusaun polítika ida ho autonomia finanseira ne’ebé boot liután ba servisu sira; tau matan ba jestaun di’ak kona-ba finansiamentu ne’ebé efetua liuhusi Orsamentu Jerál Estadu nian, husi parte órgaun administrasaun indireta sira Estadu nian no órgaun governasaun lokál, liuhusi auditoria no akompañamentu; koordena asisténsia téknika nasionál no intenasionál kona-ba asesoria téknika ba órgaun Governu nian sira la inklui área sira rekursu umanu nian; dezenvolve sistema informasaun nian kona-ba jestaun finanseira iha servisu no organizmu Administrasaun Públika nian hotu-hotu iha artikulasaun ho dezenvolvimentu prosesu kona-ba e-government nian; estabelese mekanizmu kolaborasaun no koordenasaun nian ho órgaun governu nian sira seluk ne’ebé iha responsabilidade jurídika área sira ne’ebé iha ligasaun.

Ministra Finansa helan tulun husi Vise-Ministra Finansa.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Fundo Petrolífero de Timor-Leste atinge 10,7 mil M€

O Fundo Petrolífero de Timor-Leste aumentou cerca de 595 milhões de euros para 10,7 mil milhões de euros, segundo o relatório relativo ao segundo trimestre de 2013 divulgado hoje pelo Banco Central timorense.

Segundo o documento, divulgado na página na Internet do Banco Central de Timor-Leste, as "entradas brutas de dinheiro no fundo com origem nos royalties e impostos foram de 796 milhões de dólares (cerca de 596 milhões de euros)", tendo o capital aumentado para 13,6 mil milhões de dólares (10,7 mil milhões de euros).

A Lei do Fundo Petrolífero foi estabelecida em 2005 com intenção de contribuir para a gestão eficaz dos recursos petrolíferos de Timor-Leste.

O fundo é gerido em conjunto pelo Banco Central de Timor-Leste, responsável pela gestão operacional, e o Ministério das Finanças, responsável pela gestão global.

Em agosto de 2011, o parlamento aprovou uma alteração da lei com o objetivo de flexibilizar a diversificação da carteira de aplicações, que, até àquela data, contava apenas com investimentos em títulos do Tesouro norte-americano, para aumentar o retorno dos investimentos.

Dinheiro Digital com Lusa

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

East Timor’s central bank launches international tender to simplify bank transfers

AUGUST 6TH, 2013    NEWS

The governor of the Timor-Leste Central Bank, Abraão de Vasconcelos has announced the launch of an international tender for acquisition of an automated payment system that will allow for immediate transfers between banks.

The Central Bank plans to buy a combined real-time gross settlement and clearing computer system, which is due to start operating at the beginning of 2015.

“Real-Time Gross Settlement will link the computer systems of banks and government services to clearing accounts at the Central Bank. The new system will make it possible for large or urgent transfers to be processed immediately between customer accounts,” said the central bank’s statement.

The statement also noted that in an initial phase the Central Bank would set up a system to allow ATMs to be installed as well as Internet and telephone transactions and other electronic banking services.

The Central Bank said it believed that these measures would reduce payment-related delays, costs and risks.(macauhub)

http://www.macauhub.com.mo/

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Banco Central lança plano para desenvolver sector financeiro

 Díli - O Banco Central de Timor-Leste anunciou hoje, em comunicado, o lançamento de um projecto para desenvolver os serviços financeiros do país com o objectivo de chegar a um maior número de cidadãos.

"O objectivo do projecto é desenvolver, em conjunto com os parceiros relevantes, um plano estratégico para o sistema financeiro de Timor-Leste, tendo em conta que o país caminha em direcção a uma economia que encoraja o investimento nacional e internacional, e oferecer a um maior número de cidadãos acesso aos serviços financeiros", refere o documento.

Segundo o documento do Banco Central, o projecto vai decorrer durante 10 anos e vai incluir "acções concretas que permitam ao sistema financeiro exercer o seu papel de catalisador do crescimento económico".

O documento acrescenta que o projecto vai ser apoiado por um comité consultivo composto por representantes de bancos centrais estrangeiros, representantes do sistema financeiro de Timor-Leste e representantes do Governo, do sector privado e de organizações internacionais.

O sistema bancário em Timor-Leste começou a funcionar em 2000 com a abertura de uma sucursal da Caixa Geral de Depósitos em Díli.

Actualmente, operam no país, além da Caixa Geral de Depósitos, o Australia New Zeland Bank (ANZ) e o Mandiri Bank, indonésio.

http://www.portalangop.co.ao

http://visao.sapo.pt/banco-central-de-timor-leste-lanca-plano-para-desenvolver-setor-financeiro=f744053