Horizontal List

PM Rui Araujo
Investir no futuro de Timor-Leste
FUTURO
Timor-Leste acolheu a mais recente reunião trilateral da plataforma para o Desenvolvimento Económico Sub-Regional Integrado entre Timor-Leste, Indonésia e Austrália

Ai-han Timor Nian
Ramos-Horta
"Tantangan Timor Leste Makin Berat"
ECONOMIA
"..fo-hanoin ba ukun nain sira nebe tinan tinan truka hela deit ministrus, atu hare ba povu nia moris nebe "kuaze 50%" povu sei moris iha linha pobreza nia laran..."
Australia-Timor Leste
Notre Dame students experience the world and help those in need in Timor-Leste
Empresários - Timor Telecom
Empresários timorenses e fundo das Fiji na corrida pela Timor Telecom
Timor-Leste - BAII
Timor-Leste inicia processo de adesão ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas
Timor-Leste - Maluku
Maluku kaji kerja sama dengan Timor Leste

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Paralisação da Líbia e Argélia pode atirar petróleo para 220 dólares

SAPO TL – 24 fevereiro 2011


De acordo com o Diário Económico, os conflitos no Médio Oriente podem provocar uma ruptura nas exportações dos países produtores e provocar um choque petrolífero.

O alerta é dado pelos especialistas do Nomura, que avisam ainda para a possibilidade de a produção de petróleo poder descer para os níveis da altura da Guerra do Golfo.

Segundo os analistas do banco nipónico, "se a Líbia e a Argélia interrompem a produção de petróleo ao mesmo tempo, os preços deverão disparar acima dos 220 dólares o barril, sendo que a capacidade de produção da Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP) deverá ser reduzida para 2,1 milhões de barris diários, valores idênticos aos vistos durante a Guerra do Golfo e quando os preços chegaram a bater os 147 dólares, em 2008", lê-se na nota do banco japonês, libertada ontem.
A OPEP tem, actualmente, uma capacidade de produção na ordem dos 5 milhões de barris diários, segundo a Agência Internacional de Energia. A Argélia produziu, no mês passado, 1,25 milhões de barris de petróleo por dia, enquanto a produção líbia ascendeu aos 1,59 milhões de barris diários, informa o Diário Económico.

"A comparação mais óbvia é com os anos da Guerra do Golfo", durante a qual a capacidade de produção da OPEP caiu para 1,8 milhões de barris e o preço do petróleo disparou 130% em sete meses, lê-se no mesmo documento, citado pela Bloomberg.

No entanto, o banco diz ainda que esta previsão dos 220 dólares pode ficar abaixo da realidade, tendo em conta que os especuladores de mercado são agora muito mais activos do que há vinte anos.Há uma semana que a Líbia enfrenta violentos protestos contra o Governo de Kadhaffi, no poder há 41 anos, tal como acontece na Argélia.

No entanto, neste último país a situação está bastante mais controlada, tendo mesmo sido levantado, ontem, o estado de emergência que tinha sido decretado dias antes.Na sessão de ontem o barril de 'brent', a referência para as importações portuguesas, já esteve a negociar acima dos 111 dólares, em Londres. Em Nova Iorque o ‘crude' aproxima-se dos 100 dólares.

**SAPO Timor Leste com Diário Económico

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Fundo Petrolífero: 6,9 mil milhões de USD no fim de 2010

A Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste, a entidade responsável pela gestão corrente do Fundo Petrolífero, divulgou hoje o relatório trimestral nº 22, sobre os resultados da gestão do Fundo durante o último trimestre de 2010.As principais conclusões são que:a) o capital do Fundo era, em 31 de Dezembro de 2010, de 6,9 mil milhões de dólares americanos, um crescimento de 300 milhões relativamente ao trimestre terminado em 30 de Setembro e apesar de...b) o Governo ter solicitado a transferência para a sua conta de uma verba de 436 milhões de USD;c) As entradas brutas de dinheiro foram de 762 milhões de USD.O gráfico abaixo sintetiza a evolução do capital do Fundo desde a sua criação em Setembro de 2005 bem como o valor retirado em cada trimestre pelo Governo para financiamento do OGE.


Por sua vez, no gráfico abaixo apresentam-se as percentagens das receitas anuais do Fundo solicitadas pelo Governo para financiar o Orçamento. Entre parenteses figura o montante (em milhões de USD) das transferências anuais efectuadas. Note-se o crescendo da percentagem e o facto de em 2010 terem atingido um pouco mais de 1/3 das receitas, quando no ano anterior a percentagem tinha sido de quase 28%. O baixo valor de 2008 deve-se em boa parte ao facto de as receitas petrolíferas nesse ano terem sido especialmente elevadas devido ao aumento do preço do petróleo que se verificou nesse ano.





Publicada por A. M. de Almeida Serra