Horizontal List

PM Rui Araujo
Investir no futuro de Timor-Leste
FUTURO
Timor-Leste acolheu a mais recente reunião trilateral da plataforma para o Desenvolvimento Económico Sub-Regional Integrado entre Timor-Leste, Indonésia e Austrália

Ai-han Timor Nian
Ramos-Horta
"Tantangan Timor Leste Makin Berat"
ECONOMIA
"..fo-hanoin ba ukun nain sira nebe tinan tinan truka hela deit ministrus, atu hare ba povu nia moris nebe "kuaze 50%" povu sei moris iha linha pobreza nia laran..."
Australia-Timor Leste
Notre Dame students experience the world and help those in need in Timor-Leste
Empresários - Timor Telecom
Empresários timorenses e fundo das Fiji na corrida pela Timor Telecom
Timor-Leste - BAII
Timor-Leste inicia processo de adesão ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas
Timor-Leste - Maluku
Maluku kaji kerja sama dengan Timor Leste

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Relatório mensal do Fundo Petrolífero (Out/2010)

Valor do capital do Fundo Petrolífero em 31 de Outubro passado: 6,7 mil milhões de dólares americanos. Mais 150 milhões USD que no final do mês anterior. Pelo andar da carruagem é possível que o FP chegue ao fim do ano com cerca de 7 mil milhões (para alguns "7 biliões") de USD. Muito vai depender do valor das receitas e das transferências para o Orçamento que o Governo irá solicitar.

Note-se que deste valor 96% estão aplicados em obrigações do Tesouro de vários países --- esmagadoramente os Estados Unidos --- e apenas 4% em acções de empresas multinacionais.
Na proposta de revisão da Lei do Fundo Petrolífero o Governo admite que, a fim de aumentar a taxa de rendibilidade do FP, esta percentagem possa ir até aos 50%. Este limite, no entanto, não será atingido no curto prazo, dependendo o ritmo de aumento desta componente do capital do Fundo (por natureza com cotações muito mais instáveis que as dos Títulos do Tesouro) das decisões do Ministro das Finanças. Há sugestões de que nos próximos 5 anos o limite não ultrapasse os 35%.

Publicada por A. M. de Almeida Serra

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Missão empresarial da Nersant na Indonésia e Timor

Na sequência de uma reunião com a Embaixada da Indonésia, a Nersant – Associação Empresarial da Região de Santarém, irá estender à Indonésia a sua Missão Empresarial a Timor-Leste, previamente agendada. A viagem será realizada em Março do próximo ano e tem como objectivo o estabelecimento de relações comerciais directas entre Portugal e estes países do sudeste asiático.

De acordo com o Embaixador da Indonésia em Portugal, Albert Matondang, “as comunidades empresariais indonésia e portuguesa estão muito afastadas”, pelo que a missão empresarial terá como principal finalidade, a aproximação entre estes dois mercados.

Para tal, o Embaixador da Indonésia referiu na reunião que “a Embaixada e o Governo Indonésio se irão empenhar fortemente na organização da Missão e na identificação dos parceiros certos para desenvolvimento de negócios” e que ele próprio se encontra “disponível para apresentar as mais recentes oportunidades de negócio no mercado indonésio”.

“Oportunidade para investir em Timor-Leste é agora”

Relativamente a Timor-Leste, a missão estava já a ser preparada pela Nersant e conta com o acompanhamento do primeiro-ministro deste país, Xanana Gusmão, que também irá participar em algumas reuniões de trabalho durante a visita da delegação portuguesa. Segundo este, a “oportunidade para investir em Timor-Leste é agora”, uma vez que está em marcha o Plano Estratégico de Desenvolvimento, “que permitirá ao país concretizar o seu potencial enquanto economia moderna, com infra-estruturas de qualidade, incluindo estradas, portos, electricidade e telecomunicações”, referiu o primeiro-ministro na Conferência Internacional sobre Investimento que decorreu recentemente em Díli.

Indonésia e Timor-Leste têm tido um crescimento económico enorme, apresentando-se como mercados bastante apetecíveis para qualquer sector de actividade. A Indonésia, mercado com 240 milhões de habitantes, apresentou, em 2009, um crescimento do PIB de 6 por cento, enquanto que Timor apresentou, no mesmo ano, um crescimento económico de 13 por cento .

De referir que já estão inscritas nesta missão empresas dos sectores dos minerais não metálicos, cerâmica, construção civil e obras públicas, formação profissional, construção de redes de gás, têxtil, projectos de construção civil e máquinas e equipamentos para a construção civil.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Governo de Timor-Leste preocupado pela descida da Woodside na Classificação da “Standard and Poor’s Rating Service”

Notícias recentes relacionadas com as actividades da Woodside Petroleum na Austrália Ocidental vieram reforçar o compromisso do Governo de Timor-Leste em garantir processos e diligências apropriados no desenvolvimento do Greater Sunrise. Uma abordagem dinâmica na obtenção de informações e avaliações independentes de empresas internacionais de renome permitirá um escrutínio rigoroso às submissões da Woodside.

Recentemente a “Standard and Poor’s Ratings Service” anunciou a redução da classificação de crédito e dívida associada da Woodside, passando de A- para BBB+, após o projecto Pluto da Woodside ter sido afectado por atrasos e custos superiores ao previsto. Um gasto extra de 900 milhões de dólares coloca agora o custo total estimado do projecto Pluto em 14 mil milhões de dólares, tendo a data de arranque sido adiada seis meses. Esta é a segunda grande revisão de custos desde que o projecto foi originalmente calculado em 11,2 mil milhões de dólares em 2007.
A razão principal deste gasto extra mais recente foi a necessidade de reconstruir torres de queimador que não cumpriam os requisitos relativos a ciclones. As torres de queimador são uma tecnologia bem estabelecida, testada e experimentada. Isto levanta preocupações no seio do Governo Timorense no que se refere a potenciais custos extra da tecnologia de GNL flutuante não testada, proposta pela Woodside para o Greater Sunrise, a qual acarreta riscos muito superiores aos das simples torres de queimadores.

Caso se registem custos extra semelhantes no Greater Sunrise, os mesmos seriam efectivamente pagos pelo Povo de Timor-Leste antes que a Nação começasse a receber qualquer fluxo de receitas.

Outro projecto da Woodside na Austrália Ocidental, o Browse, no valor de 30 mil milhões de dólares, tem também andado nas páginas da imprensa australiana, com uma série de trocas que parecem familiares com a experiência timorense. O Director administrativo Don Voelte anunciou “Estamos a adorar a forma como as coisas estão a andar… não visionamos quaisquer obstáculos”, ao passo que o parceiro na empresa mista BHP Billiton, o patrão Michael Yeager, afirmou que o projecto ainda não tinha atingido uma “selecção conceptual” e que se deparava com enormes dificuldades técnicas. Voelte descreveu os comentários de Yeager como estando “totalmente errados”. A BHP Billiton é a maior produtora de petróleo e gás da Austrália.

De modo semelhante, a Woodside continuou a anunciar que o projecto do Greater Sunrise estava a avançar bem, quando na verdade as comunicações tinham praticamente cessado no último ano. A insistência do regulador petrolífero de Timor-Leste, a ANP, de que o Greater Sunrise permanecia na fase de “selecção conceptual” recebeu uma resposta idêntica da Woodside. Nos últimos meses a Woodside tem vindo a aceder a cumprir as condições exigidas pelos reguladores. A Woodside apresentou agora informações sobre três conceitos de desenvolvimento: a opção do gasoduto para Timor-Leste, a opção do gasoduto para Darwin e a opção de GNL Flutuante. Estes documentos estão a ser rigorosamente escrutinados pela ANP, juntamente com os reguladores australianos.
Os documentos revelam a avaliação da Woodside em como um gasoduto para Timor-Leste custará cerca de 400 milhões de dólares menos que um gasoduto para Darwin. Estudos independentes encomendados por Timor-Leste indicam que a poupança de dinheiro com um gasoduto para Timor-Leste deverá ser muito superior. O Governo tem mantido a sua posição de forma consistente em como a opção por um gasoduto para Timor-Leste é a mais segura e a mais viável em termos económicos, indo de encontro ao espírito dos tratados relativos ao Mar de Timor, os quais promovem a partilha de benefícios. O campo em produção na área, o Bayu Undan, canaliza o seu gás para Darwin, dando assim um grande impulso à economia do Território Norte.

O Porta-Voz do Governo, o Secretário de estado Ágio Pereira, referiu que “estamos confiantes em como Timor-Leste possui os conhecimentos nacionais e internacionais para avaliar devidamente as opções de desenvolvimento referentes ao Greater Sunrise e afirmamos o nosso compromisso para gerir de forma responsável os recursos de Timor-Leste.

Continuamos a preparar o sucesso comercial do gasoduto para Timor-Leste e estamos ansiosos por ver os benefícios chegarem a todos os intervenientes, em especial o nosso Povo.”FIM
Ágio Pereira +670 723 0011 - Correio electrónico: agio.pereira@cdm.gov.tl ou govtlmedia@gmail.com - Portal electrónico: www.timor-leste.gov.tl

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Despesas do OGE

O quadro abaixo sintetiza os valores previstos como despesas do OGE para 2011. Como se pode verificar, a taxa de variação entre o de 2010 e 2011 (sublinho que para 2010 se trata do Orçamento aprovado e não dos gastos efectivos) é de 17,6%. Se descontarmos a taxa de inflação de 4,6% referida noutra entrada, temos um aumento real dos gastos de 13%, um aumento significativo.

Num país onde não existe a possibilidade de recorrer à política monetária para ajudar a controlar a inflação devido ao facto de não existir moeda própria --- não vamos discutir aqui o assunto mas genericamente diria, pelo menos, que este não é o momento para a introduzir ---, cabe ao Estado, nomeadamente através da política orçamental que pratica, ter algum cuidado com a possibilidade de um excesso de despesa em relação à capacidade do sistema produtivo responder com uma oferta correspondente ser causador de uma aceleração da inflação.
Em Timor Leste a tensão entre a procura e a oferta é "resolvida" através das importações, havendo estimativas de que cerca de 70% dos gastos públicos são "escoados" para o exterior através das mesmas.
É a velha teoria da "banheira": o dinheiro "entra" pela costa sul (receitas petrolíferas do Mar de Timor) e "sai" pela costa norte (importações da Indonésia, Singapura, etc).
Num ano em que, juntamente com o de 2012, se prevê um forte investimento em infraestruturas --- construídas ou arrajadas principalmente com bens importados --- a pressão sobre as importações vai ser, provavelmente, ainda maior. Mas o aumento significativo de dinheiro em circulação não vai, certamente, deixar de exercer pressão sobre os preços.
Veremos qual a taxa de inflação no futuro mas temos alguma desconfiança em relação à possibilidade de ela se manter, como previsto pelo Governo e pelo FMI, apenas nos 4%. A ver vamos.Num país onde não existe a possibilidade de recorrer à política monetária para ajudar a controlar a inflação devido ao facto de não existir moeda própria --- não vamos discutir aqui o assunto mas genericamente diria, pelo menos, que este não é o momento para a introduzir ---, cabe ao Estado, nomeadamente através da política orçamental que pratica, ter algum cuidado com a possibilidade de um excesso de despesa em relação à capacidade do sistema produtivo responder com uma oferta correspondente ser causador de uma aceleração da inflação.
Em Timor Leste a tensão entre a procura e a oferta é "resolvida" através das importações, havendo estimativas de que cerca de 70% dos gastos públicos são "escoados" para o exterior através das mesmas.
É a velha teoria da "banheira": o dinheiro "entra" pela costa sul (receitas petrolíferas do Mar de Timor) e "sai" pela costa norte (importações da Indonésia, Singapura, etc).
Num ano em que, juntamente com o de 2012, se prevê um forte investimento em infraestruturas --- construídas ou arrajadas principalmente com bens importados --- a pressão sobre as importações vai ser, provavelmente, ainda maior. Mas o aumento significativo de dinheiro em circulação não vai, certamente, deixar de exercer pressão sobre os preços.
Veremos qual a taxa de inflação no futuro mas temos alguma desconfiança em relação à possibilidade de ela se manter, como previsto pelo Governo e pelo FMI, apenas nos 4%. A ver vamos.

Fundo Petrolífero: os dados de fins de Setembro/2010

Há algumas, poucas, semanas ficou disponível no 'site' da Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste o relatório sobre a evolução do Fundo Petrolífero durante o terceiro trimestre deste ano.Vejam-se abaixo as informações fundamentais tal como constam desse relatório.

Repartição, em %, dos investimentos efectuados pelo Fundo Petrolífero


Informações financeiras

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

First East Timor coffee now in Australia

29 November 2010

The first coffee grown, roasted and packed in East Timor has been launched into the Australian market.

Now available through Tradewinds Tea and Coffee, the coffee is supplied by the Co-operativa Café Timor, who have more than 20,000 coffee growing households as members.

While in the past coffee from East Timor was exported as green beans, the new Tradewinds Fairtrade East Timor coffee is both grown and processed, and packed in Dili and is part of a strategy to create more jobs for the East Timorese as well as increased income.

Tradewinds has funded the purchase of equipment required for the coffee processing.

“When you drink a cup of Tradewinds Fairtrade East Timor coffee not only will you enjoy a fine brew, you’ll be helping this new nation to build its own future,” said Dr David Lloyd, director of Tradewinds and also a senior Lecturer of Southern Cross University.

“This is part of our strategy of giving a hand-up not a hand-out. It supports people to develop skills and pride in their own communities rather than putting their hands out for help.”

Dr Lloyd and another Tradewinds director, Professor Brett Inder of Monash University, are engaged in a three year AusAID funded study to determine the social and economic impacts of existing coffee production processes and market access on household incomes in Timor-Leste.

Fonte: http://www.hospitalitymagazine.com.au

domingo, 21 de novembro de 2010

PM Xanana Informa OJE 2011 ba PR Horta

Posting Husi: Josefa Parada
Kategoria: Notisias Online - Le'e dala: 33 Ona.

DILI-Premeiru Ministru Kay Rala Xanana Gusmao hafoin aprezenta OJE 2011 ba Parlamentu Nasional, hakat a’an hikas ba Palasiu Prezidensial hodi informa ba PR Horta konaba kestaun refere.

PM Xanana, liu husi inkontru semanal ho PR Horta, ofisialmente informa proposta OJE 2011 ne’ebe governu intrega ona ba PN. “Hau informa ba Prezidente konaba proposta Orsamentu Jeral 2011 ne’ebe ami hatama ona ba Parlamentu,” katak PM Xanana ba jornalista sira, Kinta, (18/11), iha Palasiu Prezidensial.

Nia dehan, PR Horta la fo komentariu barak, maibe husu deit ba governu atu ejekuta didiak wainhira PN aprova. Antes ne’e, PR Horta deklara hakfodak ho montante OJE 2011 ho total miliaun $985 tanba konsidera orsamentu refere bo’ot teb-tebes. Maske nune’e Horta senti kontenti tanba governu hamenus osan viazen estranjeiru ba membru governu sira.

OJE 2011 ho total milaun U$985 tuir anunsiu Konselhu Ministru, ho kategoria ba salariu vensimentu milaun U$ $115.909, milaun $270.459 ba Beins no Servisu (milaun U$ 25 afeta ba Fundu Dezenvolvimentu Kapitál Umanu), miliaun U$164.456 ba Transferénsia Públika, miliaun $28.252 ba Kapitál Menór no milliaun $405.924 ba Kapitál Dezenvolvimentu (milaun $317.306 afeta ba Fundu Infra-Estrutura nian).

Deputadu husi Bankada Fretilin, Estanislau da Silva, lolos governu tenki sukat ninia kapasidade ejekusaun molok aprezenta orsamentu ho montante ne’ebe a’as teb-tebes. Nia dehan, kada tinan orsamentu ne’e bo’ot ba bebeik, maibe gastus ne’ebe governu halo la sustentavel.

Deputadu Bankada CNRT, Arao Noe, defende governu katak, se governu husu osan bo’ot atu aloka signifika katak governu iha ona planu konkretu. Nia dehan, montante OJE 2011 ne’ebe bo’ot ne’e relevante duni tanba realidade hatudu katak nesesidade nasaun ne’e tinan ba tinan aumenta a’as. Arao dehan, atu hasoru dezafiu dezenvolvimetnu presiza duni prepara kondisaun liu husi alokasaun orsamentu. Jorgino Santos

Fonte: STL

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Fundo Petrolífero de Timor-Leste rende 1, 62% no 3.º Trimestre

O valor do Fundo Petrolífero de Timor-Leste rendeu 1,62% no terceiro trimestre, sendo o valor actual de 6.603,63 milhões de dólares (4,8 mil milhões de euros), anunciou a Autoridade Bancária e de Pagamentos (ABP) no seu site.

Segundo o relatório, anunciado no dia 10, as entradas brutas de capital durante o trimestre foram de 376,72 milhões de USD, consistindo de 222,73 milhões de impostos pagos ao Fundo e 153,99 milhões de royalties (pagamento de direitos de utilização da área explorada) pagos à Autoridade Nacional do Petróleo.

O rendimento do investimento do Fundo foi de 103,66 milhões de USD, dos quais a componente de cupões e de juros recebidos foram de 53,27 milhões e a alteração do valor de mercado dos títulos foi de 50,39 milhões de USD, de que resultou um retorno trimestral para a carteira de títulos de investimento de 1,62%.

A Lei do Fundo Petrolífero especifica que a ABP, como banco central de Timor-Leste, é o agente responsável pela gestão operacional do Fundo, sendo o Ministério das Finanças o responsável pela definição da estratégia global de investimentos do Fundo.

O balanço de encerramento foi de 6,603.63 milhões de dólares americanos.

O presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, anunciou no passado domingo a disponibilidade do seu país em comprar títulos da dívida pública portuguesa, à luz da diversificação de investimentos do Fundo do Petróleo timorense, que tem mais de 6.600 milhões de dólares (4,85 mil milhões de euros).

Diário Digital / Lusa

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Economia Timor Leste Emerge Após Três Anos de Liderança Proficiente

Quando o novo Governo chefiado por S. Exa. o Primeiro-Ministro Kay Rala Xanana Gusmão tomou posse em Agosto de 2007, Timor-Leste era visto pela maioria das pessoas como estando a um passo de se tornar um Estado falhado. Em apenas três anos, a agenda reformista agressiva do Governo Gusmão transformou esta pequena Nação que ocupa meia ilha. Os indicadores económicos e sociais de 2010 reflectem uma Nação cada vez mais estável e com progressos alcançados, que emerge da pobreza através de políticas e reformas progressistas.

Os 1,6 mil milhões de dólaresi de despesa pública incisiva possibilitaram um decréscimo de 9%ii na pobreza, o equivalente a retirar cerca de 96.000 pessoas de uma situação de pobreza extrema. Isto apenas foi conseguido após terem sido já gastos oito mil milhões de dólares em de uma década, e antes do mandato deste Governo, sendo que durante este período a pobreza aumentou para o dobro em algumas zonas do País.

O crescimento económico de Timor-Leste em 2009 foi 13%iii, a taxa de crescimento mais elevada da região. Se compararmos esta taxa com as taxas de crescimento global em 2009 de países e regiões tais como a América Latina (-1,7%), a Zona Euro (-4,1%) e os Estados Unidos (-2.6%)iv, vemos como o crescimento de Timor-Leste é impressionante, razão pela qual o País foi considerado uma das dez economias com crescimento mais rápido em todo o mundo durante os anos de 2008 e 2009.v

A boa gestão económica tem sido apanágio deste Governo, com o Relatório Doing Business do Banco Mundial a reconhecer as reformas ao sistema de tributação através da subida da posição de Timor-Leste na classificação global de 75.º para 19.º. Também no Relatório Doing Business de 2010 a classificação de Timor-Leste subiu 7 posições. Sob o novo cenário de tributação, as receitas provenientes de impostos domésticos aumentaram 41% desde 2006vi; este aumento demonstra que as instituições estão cada vez mais fortes ao nível da cobrança e que se está a criar um ambiente regulador mais acessível. O número de empresas registadas aumentou de 1.695 em 2007 para 2.118 em 2008 e 3.781 em 2009. O número de microempresas registadas aumentou de 505 em 2007 para 849 em 2008 e 1.262 em 2009vii. O Produto Nacional Bruto (PNB) per capita de Timor-Leste aumentou 228% entre 2005 e 2010viii, e se considerarmos que em 2006 a taxa de crescimento foi negativa (-5,9%)ix podemos constatar como o sucesso se atribui às iniciativas do Governo Gusmão.

O País tem também feito progressos assinaláveis no que se refere aos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. A taxa de mortalidade infantil decaiu de 92 por cada 1.000 nados vivos em 2007 para 64 por cada 1.000 nados vivos em 2009; a taxa de incidência da malária baixou de 203 por cada 1.000 em 2007 para 113 por cada 1.000 em 2009; e a taxa de incidência da tuberculose decresceu de 250 por cada 100.000 em 2007 para 145 por cada 100.000 em 2009. A taxa líquida de matrícula de crianças no ensino primário aumentou dos 65,6% em 2007 para os 82,7% em 2009.x Em termos simples, o uso de instrumentos de medição de qualidade têm vindo a demonstrar que actualmente mais crianças vivem para além do seu quinto aniversário de vida, muito menos pessoas são afectadas por doenças e mais crianças participam no sistema de educação do que acontecia quando este Governo iniciou o seu mandato.

Este ano Timor-Leste atingiu o estatuto de conformidade total com a Iniciativa de Transparência nas Indústrias Extractivas, tendo sido o terceiro país em todo o mundo a consegui-lo. O Instituto Revenue Watch e a Transparência Internacional, no primeiro Índice Revenue Watch deste ano, classificaram Timor-Leste como estando no grupo dos melhores países em termos de “transparência abrangente” relativamente aos recursos naturais.xi

O Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas de 2010, que acabou de ser lançado, regista que Timor-Leste subiu 14 posições na classificação, enquanto o Índice de Percepções de Corrupção de 2010, da Transparência Internacional, revela uma subida de 19 posições. O relatório de Direitos Humanos das Nações Unidas, lançado o mês passado, refere “progressos importantes ao nível dos direitos humanos” no período de Julho de 2009 a Junho de 2010, indicando que Timor-Leste tem actualmente potencial para ser um líder regional e global na área dos direitos humanos.xii

Timor-Leste tornou-se ainda um caso de estudo global de nações frágeis e em situação de pósconflito.

Enquanto em 81 países, com estas características, a taxa média de crescimento conseguida em cinco anos após os conflitos foi de 5%xiii, em Timor-Leste registou-se uma taxa de crescimento de aproximadamente 15% num espaço de tempo relativamente mais curto, contado desde 2006.

Timor-Leste é actualmente reconhecido como um líder global emergente de uma situação de fragilidade e pós-conflito, por via de inovação interna. Em Abril de 2010, Timor-Leste foi nomeado para liderar o g7+, um grupo de dezassete Estados e territórios frágeis e em situação de pós-conflito espalhados pelo mundo, unidos pela primeira vez na história para partilharem as suas experiências comuns e influenciarem a política mundial.

O Secretário de Estado do Conselho de Ministros, Ágio Pereira, referiu que “O progresso a que temos assistido no País desde Agosto de 2007 é resultado da determinação nacional e da união do nosso Povo. As melhorias resultam de uma liderança astuta e de boa governação, assim como da assistência dos parceiros internacionais, tendo apenas estas melhorias sido possíveis como resultado de reformas políticas, legislação, planeamento, implementação efectiva e melhores relações globais.’

‘Agora que avançamos para as próximas etapas cruciais do nosso crescimento nacional, devemos reflectir sobre de onde viemos num espaço de tempo tão curto. Devemos considerar os factos, analisar as melhorias registadas na nossa Nação e ter bem presente que a liderança do nosso Primeiro-Ministro, Sua Excelência Xanana Gusmão, apoiada por uma equipa dedicada, resgatou Timor-Leste da beira do precipício e colocou-o neste momento auspicioso da sua história. O Primeiro-Ministro e a equipa continuarão a trabalhar com a mesma capacidade e a mesma coragem para que Timor-Leste possa seguir no caminho rumo à paz e ao desenvolvimento, caminho este que podemos hoje trilhar juntos com um elevado sentido de esperança e de realismo.” FIM

Secretário de Estado do Conselho de Ministros e Porta-voz Oficial do Governo de Timor-Leste
Ágio Pereira +670 723 0011 Correio electrónico: agio.pereira@cdm.gov.tl ou govtlmedia@gmail.com Portal electrónico: http://www.timor-leste.gov.tl/

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Governu aprova ona orsamentu estadu nian ba 2011

Sapo.tl, 12 de Novembro de 2010, 16:54

Governu Timór-Leste, ohin, aprova ona, iha reuniaun estraordináriu iha Konsellu Ministru nian, proposta Orsamentu Estadu nian ba 2011, ne’ebé prevé ho totál dolar miliaun 2,398 ba reseita sira no dolar miliaun 985 ba despeza.

Tuir komunikadu hosi Konsellu Ministru sira, proposta Lei Orsamentu Jerál Estadu nian (OGE) ba 2011 estima ho totál ba reseita hosi fonte hotu (mina-rai, laoos mina-rai, osan hosi parseiru dezenvolvimentu sira no reseita lafiskál), dolar norte-amerikanu nian ho miliaun 2,398. Iha ona dotasaun orsamentál ne’ebé propoin ho osan montante jerál dolar miliaun 985, hosi montante ne’e hamutuk dolar miliaun 317.306 mak ba infra-estrutura no dolar Amérika miliaun 25 ba dezenvolvimentu Kapitál Humanu.

Ba verba seluk ho dolar miliaun 115.909 ba Saláriu no Vensimentu, dolar miliaun 270.459 ba Sasán no Servisu, no mós dolar miliaun 25 ba ba Osan Dezenvolvimentu Kapitál Humanu. Ba transferénsia públika haree ona montante dolar miliaun 164.456 no dolar miliaun 28.252 ba Kapitál Menór.

Kapitál ba dezenvolvimentu hetan dolar miliaun 405.924, ne’ebé inklui mós dolar miliaun 317.306 ne’e ba fundu infra-estrutura nian. Novidade boot ba proposta orsamentál nudár kriasaun ba fundu infra-estrutura no fundu ba dezenvolvimentu Kapitál Humanu.

Esplikasaun Governu nian ne’e nesesidade ida ba “hasa’e finansiamentu”, iha área rua ne’e, rin rua ne’ebé importante tebes hodi haree ba kondisaun bázika hodi dada investimentu privadu sira no haburas ekonomia atu ladepende de’it ba mina.

Tenki kria mós Ajénsia Dezenvolvimentu Nasionál (ADN), “kompostu hosi tékniku kualifikadu sira, atu hodi tau matan ba kualidade projetu nian no asegura espesifikasaun no kustu tuir-fatin”, tuir komunikadu governamentál.

Revista a série do PIB de Timor Leste

O Fundo Monetário Internacional, em colaboração com a Divisão de Macroeconomia do Ministério das Finanças, efectuaram uma revisão da série estatística do Produto Interno Bruto de Timor Leste.Como se pode verificar pelo quadro abaixo, cuja fonte é a base de dados estatísticos que acompanha a publicação do Fundo designada por World Economic Oulook (ver em http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2010/02/weodata/index.aspx), os valores anteriores foram revistos em baixa na série publicada no início de Outubro passado, juntamente com a edição do Outonno daquela publicação.

A redução, para todos os anos desde 2002, foi de cerca de 9% em relação aos valores anteriores e que constavam ainda da base de dados publicada em Abril passado.A causa principal desta revisão em baixa foi a revisão efectuada aos valores da produção dos sectores primário (agricultura, etc) e secundário e terciário (indústria e serviços).A primeira viu os seus valores baixarem, em geral, cerca de 9-10% enquanto que a indústria e serviços viu a sua produção reavaliada em cerca de -15% em cada ano.Estas diferenças devem-se ao uso, agora, de metodologia mais apropriada ao cálculo das Contas Nacionais, procurando usar o mais possível o valor acrescentado em cada sector ou, pelo menos, estimativas mais correctas do mesmo.A preços constantes de 2000 o valor do PIB global era, em 2009, de cerca de 364 milhões de USD. Como a população deveria rondar o milhão de habitantes, o PIB per capita deveria ser de cerca de 365 USD,

Publicada por A. M. de Almeida Serra

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Timor Leste no “Índice da Fome no Mundo 2010”

Manchete

Aumento da fome é alarmante. Onde?
- Angola, Moçambique, Guiné e Timor Leste


11-Oct-2010 - 15:53

Índice da Fome no Mundo 2010 revela que em português há muita gente com a barriga vazia, o que nem sequer é novidade. Mas nada melhor do que assobiar para o lado...

Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Timor-Leste integram uma lista de 25 países onde o aumento da fome é alarmante, segundo revela hoje um relatório do Instituto Internacional de Pesquisa sobre Políticas Alimentares. Por outras palavras, nestes países os poucos que têm milhões têm ainda mais milhões, e os milhões que têm pouco ou nada passaram a ter ainda menos. Ser gerado com fome, nascer com fome e morrer pouco depois com fome parece ser uma fatalidade na Lusofonia.


De acordo com o relatório “Índice da Fome no Mundo 2010”, a fome no mundo atinge quase um milhão de pessoas e assumiu proporções alarmantes em cerca de 30 países, devido à pobreza, aos conflitos e à instabilidade política.

Além disso, como diz Mo Ibrahim, “não se justificam a fome, a ignorância e a doença que assolam África”, pelo que a solução terá de passar obrigatoriamente por “bons líderes, boas instituições e boa governação”, sem os quais “não haverá Estado de Direito, não haverá desenvolvimento”.

O Índice da Fome no Mundo 2010 (de zero a 100), a fome atinge um nível “alarmante” a partir de 20 pontos e “extremamente alarmante” a partir de 30.

Os 25 países onde a situação é alarmante são, por ordem crescente de gravidade, Nepal, Tanzânia, Camboja, Sudão, Zimbábue, Burkina Faso, Togo, Guiné-Bissau, Ruanda, Djibuti, Moçambique, Índia, Bangladesh, Libéria, Zâmbia, Timor-Leste, Níger, Angola, Iémen, República Centro-Africana, Madagáscar, Ilhas Comores, Haiti, Serra Leoa e Etiópia.

De 122 países em desenvolvimento estudados, os níveis de fome "extremamente alarmantes" foram alcançados em quatro países da África Subsaariana, a República Democrática do Congo (RDC), o Burundi, o Chade e a Eritreia.

A República Democrática do Congo atingiu 40 pontos nesta escala, sendo o país que sofreu a maior deterioração do índice, segundo o relatório. Este é, aliás, o país que tem a maior taxa de mortalidade infantil no mundo.

Este índice da fome no mundo é calculado através de três indicadores: a proporção da população com subnutrição, o baixo peso infantil e as taxas de mortalidade infantil.

A subnutrição em crianças com menos de dois anos é um dos principais obstáculos para a redução da fome no mundo, acrescentou o relatório.

Também o Índice Mo Ibrahim 2010, revelado recentemente, indicava, em termos de governação, que Cabo Verde é o país africano de expressão portuguesa melhor classificado, ocupando o quarto lugar, seguindo-se São Tomé e Príncipe em 11º, Moçambique em 20º, Guiné-Bissau em 41º e Angola em 43º.

No índice de 53 países, Cabo Verde desceu, porém, dois lugares em relação a 2009, ficando agora atrás das Maurícias, que mantém o primeiro posto, Seicheles e Botsuana, com a África do Sul a fechar o “top 5”. Os últimos da lista são a Eritreia, Zimbabué, RD Congo, Chade e Somália.

A tabela avalia quatro critérios de governação - Desenvolvimento Humano, Participação e Direitos Humanos, Segurança e Estado de Direito, Oportunidades de Sustentabilidade Económica.

Numa pontuação de 0 a 100, Cabo Verde surge com 73.83 pontos, seguido, entre os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), por São Tomé e Príncipe (desceu uma posição em relação a 2009 - 57,05 pontos), Moçambique (52,39), Guiné-Bissau (42,09) e Angola (39,29).

Fundador da empresa de telecomunicações africana Celtel International, Mo Ibrahim, nascido no Sudão em 1946, é considerado um modelo de cidadão africano bem sucedido, que privilegiou uma gestão ética do negócio. Vendeu a empresa em 2005 - sete anos depois de a ter criado - a um operador do Kuwait por 3,4 mil milhões de dólares, fortuna que financia a sua Fundação.

Mo Ibrahim tem responsabilizado as “falhas monumentais dos líderes africanos após a independência”, explicando sem meias palavras que, “quando nasceram os primeiros Estados africanos independentes, nos anos 50, África estava melhor em termos económicos”.

Mo Ibrahim explica que “as enormes falhas na governação provocaram o retrocesso”, culpando também os cidadãos porque foram eles que permitiram que os destinos do continente fossem conduzidos por maus líderes.

O empresário qualifica de “vergonhoso e um golpe à dignidade” a contínua dependência de África em relação ao ocidente, tendo em conta os “recursos impressionantes” que abundam no continente.

“Não se justificam a fome, a ignorância e a doença que assolam África”, enfatiza Mo Ibrahim, para quem a solução terá de pessar obrigatoriamente por “bons líderes, boas instituições e boa governação”, sem os quais “não haverá Estado de Direito, não haverá desenvolvimento”.

Fonte: http://www.noticiaslusofonas.com

Statement by the Honorable Giulio Tremonti Minister of Economy and Finance, and Governor of the IMF

1. The Global Economy

The global economy grew more than expected in the first half of the year; however, this result masks diverging trends among regions and countries. Most emerging economies are growing at rates close to those achieved before the crisis, while the pace of the recovery has significantly weakened in the US and Japan; by contrast, there has been a sharp acceleration of economic activity in Europe.

»» Read More here: Statement by the Honorable Giulio Tremonti
Minister of Economy and Finance, and Governor of the IMF for Italy
Speaking on behalf of Albania, Greece, Italy, Malta,
Portugal, San Marino, and Timor-Leste

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

“Portugal pode usar Timor como trampolim económico para a Ásia”

Entrevista
“Portugal pode usar Timor como trampolim económico para a Ásia”
António Sarmento
08/10/10 00:05

Com um crescimento económico de 12%, o presidente José Ramos Horta desafia as empresas portuguesas a investir no território.

A hotelaria, o imobiliário e o turismo são sectores em crescimento em Timor. Ramos Horta diz que o país precisa de hotéis, apartamentos e escritórios. Está também prevista a construção do novo parlamento nacional e do novo aeroporto. O primeiro grande hotel, de um investidor da Singapura, terá 500 quartos, e custou 300 milhões de euros.

Como é que Timor se pode tornar mais atractivo para as empresas portuguesas?

Já temos algumas empresas portuguesas no território. A principal é a Portugal Telecom, que tem o monopólio da Timor Telecom, mas temos ainda Caixa Geral de Depósitos/BNU, a Ensul e outras. Está a sentir-se um interesse maior dos privados em investir em Timor Leste

A hotelaria, o imobiliário e o turismo são sectores onde as empresas portuguesas podem encontrar oportunidades de investimento?

Sem dúvida. A área da construção privada cresceu 50% nos últimos dois anos e este ano devemos ter um crescimento económico de 12%. Há muito financiamento do estado para a área do imobiliário, hotéis, apartamentos e escritórios. Espero que não cometamos o mesmo erro da Espanha, da Irlanda ou do Dubai com a economia da bolha de ar. Mas creio que não, porque estamos a começar do zero e precisamos de infra-estruturas para escritórios, alojamentos e espaços para o governo. Vai haver uma política de habitação para todas as classes, os mais pobres, os mais carenciados e até para funcionários públicos, polícias, forças armadas e membros do governo. Vamos ainda construir o novo parlamento nacional e o novo aeroporto.

E em relação à hotelaria e ao turismo?

Já começámos. Temos vários hotéis de média dimensão, com 30, 50 ou 100 quartos. O primeiro grande hotel, de um investidor da Singapura, na ordem dos 300 milhões de dólares, vai ter 500 quartos e será o primeiro hotel do mundo que funcionará completamente com energia eólica, solar e dessalinização para o fornecimento da água. Terá ainda campo de golfe e arborização na zona circundante do hotel. Há um outro, ligado à cadeia Hilton, que já tem terreno e está prestes a começar a construção.

Portugal está a passar por uma grave crise económica. Notou que isso prejudicou o investimento das empresas em Timor?

Não afectou o interesse do sector privado português em Timor Leste, que não tem sido muito. Não afectou sequer o nível de ajuda portuguesa quer para Timor, quer para outros países em relação aos quais Portugal sempre foi solidário.

*Leia a versão completa na edição de hoje do Diário Económico

Fonte: http://economico.sapo.pt/
http://economico.sapo.pt/noticias/portugal-pode-usar-timor-como-trampolim-economico-para-a-asia_101002.html

Conferência de Doadores angariou mais de três milhões de euros para Timor

por: Fernanda Pinto

Adiantou Celso Ferreira no final do evento

Conferência de Doadores angariou mais de três milhões de euros para Timor

Ainda não está fechado o leque de doadores, mas, adiantou Celso Ferreira, pelas contas feitas, a Conferência de Doadores para Timor permitiu angariar mais de três milhões de euros em máquinas e outras doações.

Ao todo foram cerca de 50 as empresas e instituições que responderam ao desafio lançado por este projecto de cooperação com Timor-Leste e contribuíram com material, equipamento ou mesmo formação. A Cespu, por exemplo, irá contribuir com bolsas de estudo, na área da saúde, para alunos timorenses.

Doações permitiram alavancar sete ou oito novos projectos

Segundo o presidente da Câmara paredense, com estas doações poderão ser alavancados sete ou oito projectos autónomos, de acordo com os interesses estratégicos do país. Tendo em conta os materiais cedidos, o autarca apontou para áreas como construção civil, calçado, têxtil, energia e mobiliário. Celso Ferreira agradeceu, "emocionado", o envolvimento e o Alto Patrocínio dos presidentes da República dos dois países, algo que trouxe mais credibilidade à iniciativa, considerou.

A conferência, realizada no Auditório da 'A Celer', em Rebordosa, na passada sexta-feira, contou, na abertura, com a presença do General Ramalho Eanes, em representação da Presidência da República Portuguesa. No encerramento, o secretário de Estado do Comércio, Fernando Serrasqueiro, considerou que o sucesso do projecto justifica o reconhecimento por parte do Governo. Caracterizando a autarquia paredense como um elemento dinamizador, o representante do Governo frisou que a cooperação com Timor deve continuar. Fernando Serrasqueiro disse ainda que o comércio internacional deve ser estimulado e adiantou que estão a preparar uma linha de crédito para o investimento naquele país.

Mais de 50 empresas/instituições apoiaram

O presidente da República de Timor-Leste considerou esta uma das conferências mais úteis e interessantes em que participou nos últimos anos. Visivelmente satisfeito com os resultados da iniciativa, e já depois de, no dia anterior, ter referido que desejava que projectos como os levados a cabo por Paredes em Timor-Leste fossem replicados, Ramos Horta agradeceu o acolhimento, hospitalidade e apoio que têm recebido do Estado português.

Recorde-se que a cooperação de Paredes com Timor-leste, mais propriamente com Baucau, permitiu construir uma fábrica de mobiliário com materiais doados pelos empresários locais. A iniciativa, "Uma Fábrica para Timor", lançada em 2007, é considerada por todos um grande sucesso.

Fonte: http://www.verdadeiroolhar.pt/
http://www.verdadeiroolhar.pt/materias.php?id=14945&secao=paredes

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Taxa (homóloga) de inflação de Agosto de 2010 em Dili: 7,6%

A Direcção Nacional de Estatística divulgou há alguns dias o IPC de Agosto de 2010 em Dili.
A taxa homóloga de Agosto (Ago09 a Ago10) foi de 7,6%. Em Dezembro passado era de 1,8%.Verificou-se, portanto, uma significativa aceleração da inflação.
Veremos qual o comportamento dos preços nos últimos meses do ano mas devido ao início da época das chuvas e ao período natalício costuma haver alguma pressão sobre os preços no sentido da sua subida.
por A. M. de Almeida Serra

Execução Orçamental a 30 de Junho de 2010

Segundo as contas publicadas pelo Tesouro de Timor Leste, a execução orçamental a meio do ano era conforme consta do quadro abaixo.


Do quadro salientem-se dois dados: o da execução do total das despesas correntes e de capital, de 30%, e o da execução das despesas de capital, que é de 10%.
A taxa de execução das despesas correntes era de 40%. "Teoricamente" as taxas deveriam rondar os 50% embora seja usual que, em Timor como noutros países, a taxa de execução do primeiro semestre seja inferior a esse limite, aumentando no segundo semestre, particularmente no último trimestre.
por A. M. de Almeida Serra

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Governo timorense prepara entrada no capital da EDP

António Sarmento com C.S.
01/10/10 00:05

José Ramos-Horta quer aplicar parte dos 4,4 mil milhões de euros do Fundo Petrolífero de Timor em empresas portuguesas. EDP é o principal alvo.

O Governo de Timor-Leste, que gere um Fundo Petrolífero avaliado em seis mil milhões de dólares (cerca de 4,4 mil milhões de euros), quer investir uma parte deste dinheiro em acções da EDP.

O presidente timorense, José Ramos-Horta, já se encontrou com António Mexia e outros administradores da empresa eléctrica portuguesa, para falar sobre o assunto. "O fundo está investido em obrigações do tesouro americano e o Governo timorense está a pensar diversificá-lo, até porque continua a acumular dinheiro todos os meses", adiantou Ramos-Horta ao Diário Económico.

"Timor-Leste pode ser investidor e comprar acções da EDP. É uma empresa com muito sucesso e credível em todo o mundo", reforçou o presidente timorense em declarações ao Diário Económico, ontem, durante a viagem de comboio entre Lisboa e o Porto. Ramos-Horta encontra-se em Portugal para participar na Conferência dos Doadores, que se realiza hoje em Paredes.

Fonte: Economico.sapo.pt

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Perdagangan ke Timor Leste Belum saatnya Kupang sebagai pintu tunggal

Kupang, PK

Belum saatnya Nusa Tenggara Timur (NTT) terutama Kupang ditetapkan sebagai satu-satunya pintu masuk arus perdagangan ke negara tetangga Timor Leste. "NTT bisa dijadikan basis perdagangan ke Timor Leste jika telah mampu menunjukkan prinsip efesiensi dan kemudahan perdagangan, otomotis akan didukung pemerintah pusat," kata Wakil Atase Bidang Ekonomi Kedubes RI di Timor Leste, Deni Lesmana, di Kupang, Rabu (13/10).

Dia mengatakan, wacana yang dimunculkan berbagai kalangan yang menghendaki NTT terutama Kupang, sebagai ibu kota Propinsi NTT merupakan satu-satunya pintu masuk perdagangan ke Timor Leste masih pro-kontra.

Pemerintah Indonesia di tingkat pusat juga mewacanakan hal itu namun belum bisa mengabulkan keinginan tersebut karena berbagai pertimbangan logis. "Sepanjang NTT belum mampu memainkan peran efesiensi dan kemudahan perdagangan ke Timor Leste tentu jalur laut masih mendominasi perdagangan ke negara tetangga Timor Leste itu," ujarnya.

Menurut dia, penetapan NTT sebagai basis perdagangan ke Timor Leste pada kondisi tidak tepat justeru menimbulkan ancaman bagi Indonesia dalam kemajuan perdagangan antarnegara. Malaysia yang juga relatif dekat dengan Timor Leste dapat memanfaatkan peluang itu untuk memasok barang dagangan dalam jumlah besar ke Timor Leste.

Demikian pula Singapura, Cina dan Thailand jika Pemerintah Indonesia gegabah menutup jalur laut perdagangan lintas negara RI-Timor Leste. "Jangan sampai itu terjadi, saya kira Pemerintah Indonesia sudah pikirkan hal itu namun bukan tidak mungkin di masa mendatang NTT ditetapkan sebagai bazis perdagangan ke Timor Leste jika kondisi telah memungkinkan," katanya.

Pemerintah Propinsi NTT, tambahnya, harus terus berkreasi dalam memfasilitasi proses pengembangan sektor bisnis menuju basis perdagangan antarnegara. Potensi wilayah NTT yang berbatasan darat dengan Timtim itu harus dikondisikan sedemikian rupa sehingga timbul daya tarik bagi sektor swasta.

"Tekad kalangan pengusaha NTT cukup terlihat namun harus mendapat dukungan dari pemerintah daerah, kerja sama pengusaha NTT, Timor Leste dan Jawa Timur merupakan langkah awal yang baik pemerintah daerah berkewajiban mendukung realisasinya," katanya. (ant)

NTT, Jawa Timur, TL Pengusaha buka kantor bersama

Kelompok pengusaha lintas negara asal Nusa Tenggara Timur (NTT), Jawa Timur dan negara tetangga Timor Leste segera mendirikan kantor bersama yang akan bermarkas di Kupang. "Sudah ada kesepakatan di kalangan pengusaha NTT, Jawa Timur dan Timor Leste dalam pertemuan kemitraan usaha di Kupang 11 Oktober lalu," kata Wakil Atase Bidang Ekonomi Kedutaan Besar RI di Timor Leste, Deni Lesmana di Kupang, Rabu (13/10).

Temu kemitraan usaha itu dihadiri 12 orang peserta dari Jakarta, 12 orang dari Jawa Timur termasuk tujuh pengusaha dan 10 orang pengusaha Timor Leste. Peserta dari NTT terdiri dari 79 orang pengusaha dan belasan orang unsur pemerintah dan pengurus Kamar Dagang dan Industri (Kadin) Indonesia.

Pertemuan itu menghasilkan "tripatrit cooperation" yang membutuhkan lokasi khusus se-bagai sentra koordinasi. Deni sempat menghadiri pertemuan itu sehingga gencar mengkoordinasikan tindak lanjut pertemuan kemit-raan usaha yang difasilitasi Badan Koordinasi Penanaman Modal Daerah (BKPMD) NTT itu.

Dia mengatakan, salah satu alternatif kantor bersama "tripatrit cooperation" itu yakni Aula BKPMD NTT atau bekas Hotel Flobamora I di Kelurahan Naikolan, Kecamatan OEbobo, Kota Kupang. "Pemerintah NTT sangat mendukung kerjasama pengusaha NTT, Jawa Timur dan Timor Leste itu sehingga Aula BKPMD layak dijadikan kantor bersama," katanya.

Kantor bersama itu, kata Deni, diharapkan mampu menjembatani jalinan kerjasama perdagangan lintas negara yang mampu me-ningkatkan kesejahteraan masya-rakat dari kedua negara bertetangga. Berbagai jenis barang dagang-an yang dibutuhkan rakyat Timor Leste dapat disediakan "tripatrit cooperation" yang didatangkan dari Surabaya melalui Kupang.

"Tentu biayanya relatif murah dan menguntungkan NTT jika kerjasama itu terealisir, bila perlu jalin kerja sama dengan Jakarta untuk pengembangan kerjasama tersebut," ujarnya.

Dia mengakui, ide pendirian kantor bersama pengusaha NTT, Jawa Timur dan Timor Leste itu bersumber dari Pemerintah Propinsi NTT yang mendapat respons positif dari kalangan pengusaha. BKPMD NTT telah menunjukkan kreativitas dalam menarik investor guna mengembangkan sektor perekonomian di wilayah NTT yang terletak di kawasan perbatasan negara Republik Indonesia (RI) dengan Timor Leste itu. (ant)

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

China aplica taxa aduaneira «zero» às exportações de Timor

A China anunciou hoje a abertura do mercado chinês, com isenção total de taxas aduaneiras, às empresas que se fixem em Timor-Leste.

O objectivo, segundo os representantes chineses, é apoiar o rápido desenvolvimento da economia timorense.

O anúncio foi feito pelo conselheiro económico e comercial da Embaixada chinesa em Díli, Yang Donghui, numa conferência de imprensa que serviu também para apresentar aos jornalistas a zona de comércio livre (FTA) criada em janeiro pela China com a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), a que Timor-Leste se prepara para aderir.

A decisão do governo chinês de abrir o mercado às exportações timorenses, sem pagamento de direitos alfandegários, antecipa a entrada de Timor-Leste na ASEAN, ao atribuir facilidades semelhantes às que concede desde o início do ano aos países fundadores da ASEAN, no âmbito da área de livre comércio que vigora desde 01 de Janeiro, mas ainda com a 'nuance' de não obrigar a qualquer reciprocidade.

"A fim de promover o desenvolvimento económico de Timor-Leste e reforçar as relações económicas e comerciais entre a China e Timor-Leste, o governo chinês comprometeu-se a dar tratamento tarifário zero a 95 por cento dos produtos originários de Timor-Leste, conforme troca de cartas assinadas pelos dois governos em abril", declarou Yang Donghui.

Segundo o conselheiro económico e comercial chinês, "da parte da República Popular da China tudo está pronto para que, na primeira fase, 60 por cento dos produtos que figuram no acordo possam desfrutar da 'tarifa zero', o que abrange 4762 tipos de bens, tais como aves e outros animais, produtos aquáticos, produtos primários agrícolas, madeiras e mobiliário, máquinas, têxteis, minerais e muitos outros artigos".

"Tudo está pronto no lado chinês, e agora o governo timorense está a trabalhar afincadamente para concluir os procedimentos necessários, nomeadamente a certificação de origem. Esperamos que possam estar concluídos o mais rapidamente possível", disse.

Yang Donghui considera que, com o tratamento pautal zero, a China está a dar um forte contributo ao desenvolvimento timorense, tornando Timor-Leste um país mais competitivo e capaz de atrair investimento estrangeiro.

"Timor-Leste passa a ter aberta a porta do grande mercado chinês para as empresas que decidam fixar-se em Timor e estabelecer aqui as suas unidades de produção, e esta é uma política de tratamento preferencial dada pelo governo chinês que irá injetar novo vigor ao desenvolvimento económico de Timor-Leste. As empresas timorenses, beneficiando desse tratamento, vão também criar mais oportunidades de emprego", acentuou.

O anúncio chinês surge um dia após o ministro dos Negócios Estrangeiros de Singapura, George Yeo, se ter reunido com as autoridades timorenses para incrementar as relações comerciais entre os dois países.

Diário Digital/Lusa

O preço do arroz no mercado internacional e as importações timorenses

Timor Leste importou nos primeiros meses do ano passado (2009) um volume muito significativo de arroz (cerca de 30 milhões de USD) para ser vendido pelo circuito oficial, i.e., pelo Ministério do Turismo, Comércio e Indústria (MTCI). O preço do arroz importado terá rondado, segundo as informações disponíveis sobre os preços no mercado internacional, cerca de 500 USD por tonelada. Isto significa que, contas redondas, terão sido importadas cerca de 60 mil toneladas. Calculamos, também grosseiramente, que as necessidades internas totais serão de cerca de 100 mil tons/ano (consumo estimado de 90 kgs/habitante e uma população de cerca de 1,1 milhões de habitantes).

A quantidade importada e a (aparentemente, pelo menos) grande colheita interna (cerca de 70 mil tons?)permitiram que desde então até agora as importações tivessem sido quase nulas.

Só agora se estão a fazer novas compras no mercado internacional (mais uma vez no Vietname). O actual preço internacional do tipo de arroz importado por Timor Leste (com 15% de grãos partidos) ronda os cerca de 410 USD/Ton, com o arroz já ensacado e colocado a bordo dos navios prontos a deixarem os portos do país (preço FOB-Free on bord).
Um documento recente do departamento de agricultura americano diz o seguinte (pg 19) sobre a evolução recente do preço do arroz do Vietname no mercado internacional:

"In contrast, Vietnam’s price quotes have risen over the past month based on substantial export shipments. Price quotes for 5-percent brokens rose to $400 for the week ending August 10, up 11 percent from the week ending July 6. This rise in Vietnam’s price quotes has reduced the premium of Thai rice to $66 over Vietnam, well below a difference of $112 one month ago."
por A. M. de Almeida Serra

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Market Flash eTrading: "Pertumbuhan yang kuat di perekonomian Timor Leste"

Selasa, 03/08/2010 09:29 WIB
Market Flash eTrading
etr - detikFinance

Jakarta - Dow Jones: Saham-saham AS mengalami kenaikan, mengirimkan Standard & Poor's 500 ke level penutupan tertinggi dalam 10 minggu terakhir, setelah perusahaan Humana Inc. samapai Allergan Inc. mencatatkan pendapatan yang lebih tinggi dari yang diperkirakan, serta data dari sektor manufaktur yang melebihi perkiraan awal. Alcoa Inc. naik 4.8%, tertinggi dalam Dow Jones Industrial Average, yang kemudian membantu mengangkat saham-saham sektor komoditas. Minyak naik diatas $81 untuk pertama kalinya semenjak bulan Mei, membantu kenaikan pada perusahaan-perusahaan energi. Humana, penyedia alat-alat pendukung kesehatan di AS, dan Allergan, produsen Botox penghilang kerut, naik paling sedikit 3.6%. Intel Corp. juga naik 2.7% sehubungan pernyataan asosiasi perdagangan bahwa penjualan secara global kembali meningkat. Standard & Poor's 500 Indeks (+2.2%) 1,125.86; Dow Jones Industrial Average (+2%) 10,674.38.

Regional : Bursa saham Asia menguat di hari Selasa setelah rally Wall Street di hari Senin. Penguatan pada bursa regional dipimpin oleh sektor keuangan. Investor terdorong oleh kuatnya data sektor manufaktur dan positifnya laba dari perbankan Eropa yang meningkatkan kembali kepercayaan investor terhadap pemulihan ekonomi global. Di Tokyo, Mizuho Financial (+1.4%), Mitsubishi UFJ Financial (+2.6%) dan Nomura Holdings (+2.3%). Sejumlah bank di Sydney naik 0.2% hingga 1.1% dengan dipimpin oleh Commonwealth Bank. Di Seoul, KB Financial (+1.3%) dan Woori Finance (+3.1%). Nikkei (+1.7%) 9730, S&P/ASX 200 (+0.9%) 4581, Kospi (+0.4%) 1789, STI (+0.5%) 3040.

Commodity: Harga minyak dunia menembus 81 dolar Amerika Serikat pada perdagangan di London, Senin, membentur tingkat yang terakhir terlihat pada Mei, dengan sentimen didorong oleh kenaikan pasar saham global, hasil bank yang kuat dan data ekonomi Amerika yang mantap. Kontrak berjangka utama New York, minyak mentah light sweet untuk pengiriman September, melompat setinggi 81,72 dolar, menyentuh tingkat yang terakhir terlihat pada 5 ei. Kemudian berdiri pada 81,36 dolar, naik 2,41 dolar dari penutupan Jumat. Minyak mentah Brent North Sea untuk penyerahan September melompat hingga 81,17 dolar, sebelum mundur kembali sedikit menjadi 80,80 dolar, naik 2,62 dolar dari Jumat. Harga minyak rally "sejalan dengan pasar saham Eropa" dan "didorong oleh optimisme tentang kekuatan pemulihan ekonomi," analis di PVM Oil Associates mengatakan dalam sebuah catatan penelitian untuk kliennya. WTI Crude (+0.16%) $ 81.47/barrel, Gold 100 (-0.07%) USD 1,184/t oz.

Economic & Industrial News

Economic: Inflasi sampai dengan 6% masih aman

Ekonom Sustainable Development Indonesia Dradjad Hari Wibowo menilai pergerakan inflasi direntang 5,8%-6% tidak perlu dikhawatirkan. Target inflasi 5,3% sangat sulit dicapai. Pelaku pasar umumnya punya ekspektasi inflasi 5,8%-6%, angka inflasi sebesar ini tidak perlu menjadi kekhawatiran. Menurut dia, kewaspadaan terhadap tekanan inflasi adalah pada saat tekanan inflasi menembus di atas 6%.

Economic: Beras Sumbang Inflasi Tertinggi

Badan Pusat Statistik (BPS) mencatat kontribusi terbesar terhadap angka inflasi di bulan Juli 2010 masih disumbang oleh beras, yaitu sebesar 0,26 persen. Kepala Badan Urusan Logistik (Bulog) Sutarto Alimuso mengatakan kontribusi beras untuk inflasi bulan Juli bersifat musiman. Untuk mencegah kembali tingginya kontribusi beras terhadap inflasi pada bulan depan, pemerintah dan Bulog akan mempercepat turunnya kuota raskin di bulan September ke bulan Agustus. Dengan demikian, ada dua kali peluncuran raskin bagi rumah tangga miskin pada bulan Agustus. Selain itu, pemerintah da Bulog juga akan tetap berupaya menjaga stabilisasi harga bahan-bahan pokok.

Economic: PIP alokasi Rp2,24 triliun danai 13 proyek

Pusat Investasi Pemerintah (PIP) merencanakan pengucuran pinjaman dan penyertaan modal sebesar Rp2,24 triliun tahun ini untuk mendanai 13 proyek swasta dan pemerintah di Tanah Air. Kepala PIP Soritaon Siregar menuturkan seluruh usulan pendanaan proyek itu saat ini masih dalam proses pengkajian dan evaluasi oleh Komite Investasi Pemerintah Pusat (KIPP) guna mendapat persetujuan dari dewan direksi PIP. Dari ke-13 proyek tersebut baru permintaan pendanaan dari PT. Wijaya Karya sebesar Rp50 miliar yang sudah diluluskan, yakni untuk mendanai proyek pembangunan terminal gas di Tanjung Sekong.

Economic: PHK Mengancam 450.000 Pekerja Sawit

Kesepakatan yang disetujui oleh Pemerintah Indonesia melalui moratorium Norwegia mengenai penghentian sementara penerbitan ijin konversi lahan hutan gambut dan hutan alam dinilai dapat memicu pemutusan hubungan kerja (PHK) besar-besaran di industri kelapa sawit. Nasib sekitar 10% atau 450 ribu tenaga kerja industri sawit terancam. Hal ini disampaikan Ketua Umum Konfederasi SPSI Sjukur Sarto di kantor Asosiasi Pengusaha Indonesia (Apindo).

Economic: Inflasi Melonjak, BI Diyakini Belum 'Tergoda' Naikkan BI Rate

Badan Pusat Statistik (BPS) mencatat inflasi bulan Juli 2010 mencapai 1,57%, atau tertinggi sepanjang tahun ini. Ancaman tingginya inflasi juga masih akan menghadang dalam bulan-bulan mendatang seiring hadirnya bulan puasa dan lebaran. Namun tingginya inflasi itu diprediksi belum akan membuat Bank Indonesia (BI) tergoda untuk menaikkan BI Rate yang kini di level 6,5%. BPS sebelumnya mencatat inflasi Juli sebesar 1,57% dengan inflasi kumulatif Januari-Juli 2010 4,02%, sementara inflasi year on year 6,22%. Lonjakan inflasi terutama dipicu kenaikan harga beras dan juga naiknya biaya perpanjangan STNK.

Euro: Euro Naik Tajam Terhadap Dolar Karena Kepercayaan Tumbuh

Euro naik tajam terhadap dolar Amerika Serikat pada Senin waktu setempat, karena data dan pasar saham melonjak mendorong pemain untuk mengambil lebih banyak risiko dalam mata uang tunggal yang memberikan hasil lebih tinggi, kata para dealer. Mereka mengatakan data AS yang lemah, termasuk angka pertumbuhan kuartal kedua pada Jumat, semua menunjukkan sebuah pemulihan AS yang lebih lambat, dengan mengorbankan dolar, sedangkan angka Eropa baru-baru ini telah relatif kuat, khususnya di kekuatan utama Eropa, Jerman. Pada akhir perdagangan Senin, euro berada pada 1,3175 dolar, naik tajam dari 1,3047 dolar di New York Jumat malam. Terhadap mata uang Jepang, dolar sedikit lebih rendah di 86,43 yen setelah 86,48 yen pada Jumat. Dealer mengatakan setelah keuntungan awal, euro mendapat dukungan lebih ketika Institute of Supply Management AS mengatakan indeks manufakturnya turun menjadi 55,5 poin pada Juli dari 56,2 persen pada Juni, dibandingkan dengan prakiraan 54,2 persen. Pembacaan di atas 50 persen menunjukkan sektor manufaktur berkembang. "Juli menandai 12 bulan berturut-turut pertumbuhan di bidang manufaktur dan indikasi bahwa permintaan masih cukup kuat di 10 dari 18 industri," Norbert Ore dari ISM mengatakan dalam sebuah pernyataan. Paul Dales dari Capital Economics mengatakan data ISM menambah bukti bahwa pertumbuhan AS melambat tetapi tidak mengindikasikan kembali ke resesi. Analis CMC Markets Michael Hewson mengatakan, laporan ditambah keterangan dari Ketua Federal Reserve AS Ben Bernanke tentang berkutatnya masalah dalam perekonomian, mengurangi sentimen pada dolar.

Europe: Restrukturisasi Utang Perbankan Eropa Capai US$ 122 M

Perbankan di Eropa tahun ini harus merestrukturisasi surat utang senilai US$ 122 miliar. Angka tersebut belum termasuk bunga yang harus mereka bayar. Bank dengan beban obligasi paling besar adalah Intesa Sanpaolo SpA dari Italia yang memiliki utang jatuh tempo senilai US$ 28 miliar. Kemudian, Uni Credit SpA juga dari Italia yang memiliki utang US$ 21 miliar. Menurut data Bloomberg, total utang obligasi yang harus direstrukturisasi oleh perbankan Italia tahun ini mencapai US$ 69 miliar. Adapun utang yang jatuh tempo 2011 mencapai US$ 157 miliar. Di Spanyol, beban surat utang perbankan yang jatuh tempo tahun ini mencapai US$ 28 miliar dan tahun 2011 sebesar US$ 73 miliar. Perbankan dari Yunani hingga Irlandia masih kesulitan mendapatkan pendanaan dari pasar sejak krisis utang Eropa merebak April lalu.

Banking: ADB: Prospek ekonomi negara di Pasifik positif

Bank Pembangunan Asia (ADB) optimistis terhadap prospek perekonomian kawasan Pasifik pascakrisis, meski ancaman inflasi diperkirakan bisa muncul akibat kerentanan terhadap lonjakan harga minyak. Laporan ADB bertajuk Pacific Economic Monitor yang dirilis hari ini menyebutkan perbaikan estimasi pertumbuhan ekonomi kawasan didorong oleh pertumbuhan yang kuat di perekonomian Timor Leste. Laporan yang menilai kondisi ekonomi 14 negara kepulauan di Pasifik tersebut menunjukkan penguatan ekonomi Timor Leste ditunjang oleh berlanjutnya peningkatan belanja pemerintah dan peningkatan produksi pertanian. Proyeksi pertumbuhan ekonomi Papua Nugini tetap di level 5,5% untuk 2010 dan 7,7% untuk 2011. Mandeknya konstruksi proyek gas alam telah menyebabkan beralihnya penopang perekonomian negeri tersebut ke tahun depan.

Corporate News

MEDC: Medco klaim temukan cadangan migas di Libia

PT Medco Energi Internasional Tbk berhasil menemukan cadangan migas yang ke-15 di Area 47, Libia dengan aliran minyak dari dua formasi yang diuji mencapai 3.027 barel per hari (bph) dan 3.875 (bph). Direktur Proyek Medco Energi Lukman Mahfoedz mengatakan sumur eksplorasi O1-47/02 yang baru saja dibor oleh operator merupakan salah satu komitmen Medco Energi dalam melaksanakan rencana kerja yang telah disetujui oleh Great Socialist People Libyan Arab Jamahiriya-General Peoplle's Committee. Rencana kerja itu diajukan setelah diperolehnya perpanjangan masa eksplorasi Area 47 untuk jangka waktu 1 tahun yang berlaku efektif pada 1 April 2010. Sumut O1-47/02, katanya, dibor untuk menguji potensi cadangan pada Formasi Memouniat dan Lower Acacus yang terletak di sebelah Barat Laut dari sumur N1-47/02.

BBTN: BTN buka Regional Office I di Bekasi

PT Bank Tabungan Negara (BTN) membuka Kantor Wilayah I atau Regional Office I di Bekasi untuk menangkap peluang bisnis dan memberikan pelayanan kepada nasabah. Dalam siaran pers yang diterima Bisnis.com menyebutkan BTN tengah menjalankan serangkaian kegiatan korporasi sesuai dengan business plan. Salah satu perubahan besar dan sangat strategis yang sedang dan akan dilakukan adalah dalam hal struktur organisasi perusahaan.

TLKM: Optimis Pendapatannya Naik 10%

Setelah membuka rapor kinerjanya selama semester I 2010, PT Telekomunikasi Indonesia Tbk (TLKM) makin optimis mengarungi tahun ini. TLKM yakin tahun ini pendapatannya akan menjadi sekitar Rp 71 triliun, naik sekitar 5% hingga 10% dari Rp 64,6 triliun di tahun 2009. Menurut Direktur Utama TLKM Rinaldi Firmansyah, biasanya kinerja perusahaan pada semester II 2010 akan lebih bagus. Telkom sendiri berharap seluler mampu memberikan kontribusi pendapatan sebesar 25%, sementara layanan datanya mampu memberikan kontribusi 22%-23%.

CSAP: Semester I, Laba Capai 73% dari Target 2010

Perusahaan distribusi bahan bangunan, PT Catur Sentosa Adiprana Tbk (CSAP) pada semester I-2010 berhasil membukukan laba bersih Rp19 miliar atau naik 17 persen dibanding periode yang sama 2009 sebesar Rp16 miliar. Perolehan ini setara dengan 73 persen dari target yang dipatok hingga penghujung 2010.

BNGA: Bakal Right Issue Rp1 T

Anak usaha CIMB Group, PT CIMB Niaga Tbk (BNGA) berencana akan melakukan penawaran saham kepada publik (right issue) tanpa Hak Memesan Efek Terlebih Dahulu (HMETD) senilai Rp1 triliun di kuartal IV-2010.

BBKP: Syariah Bukopin Sidoarjo kejar kredit Rp60 miliar

Kucuran kredit Bank Syariah Bukopin di Sidoarjo diproyeksikan mencapai Rp60 miliar dan realisasi pembiayaan untuk wilayah Surabaya diprediksi tembus Rp180 miliar. Pemimpin Cabang Bank Syariah Bukopin Sidoarjo Trisna Surjatri mengatakan kantor cabang yang baru beroperasi sepekan ini ditargetkan mampu menyalurkan kredit sebesar Rp60 miliar sampai akhir 2010. Nilai tersebut merupakan proyeksi tahap awal.

BACA: Bank Capital raih laba Rp18,27 miliar

PT Bank Capital Indonesia Tbk membukukan laba bersih Rp18,27 miliar pada semester I/2010 melonjak 159,51% dibandingkan dengan periode yang sama tahun lalu yaitu Rp7,04 miliar. Dalam laporan keuangan perseroan yang dipublikasikan di PT bursa Efek Indonesia (BEI) hari ini, dipaparkan kenaikan laba bersih tersebut ditopang pertumbuhan pendapatan perseroan yang naik sebesar 91,99% menjadi Rp57,07 miliar dibandingkan dengan periode yang sama tahun lalu senilai Rp29,72 miliar.

GJTL: Lepas 120.000 Ban per Bulan

PT Gajah Tunggal Tbk ikut menuai pertumbuhan penjualan signifikan pada semester pertama tahun 2010 ini. Rasio penjualan ban GT Radial di pasar domestik dan ekspor masih berbanding 10%:90%. Sepanjang enam bulan pertama, pejualan GT Radial bisa menyentuh 120.000 unit per bulan. Jumlah ini tumbuh 20% dibandingkan dengan penjualan semester I-2009 yang sebesar 100.000 unit per bulan. Semester II tahun 2010 ini penjualan semakin moncer terutama dengan adanya IIMS dan Lebaran. Di IIMS saja, penjualan GT Radial mencapai 800 unit. Sebagian besar penjualan didorong oleh produk baru GT Radial Champiro Eco. Produk yang meluncur Juni silam ini tersedia dalam ukuran 13 inci sampai 16 inci. Gajah Tunggal menjual Champiro Eco seharga Rp 300.000 sampai Rp 750.000 per unit.

EXCL: XL & Citra Marga Berjaya

Laba bersih PT XL Axiata semester I/2010 tumbuh 87% dengan margin laba bersih 39,09%, jauh mengungguli capaian PT Telekomunikasi Indonesia (Persero) Tbk yang justru turun 5,4%. Sementara itu, laba bersih operator jalan tol PT Citra Marga Nusaphala Persada Tbk tumbuh 1.191%, dengan margin laba bersih 109,24%. Capaian ini jauh lebih baik dari kinerja PT Jasa Marga (Persero) Tbk yang membukukan laba bersih 30,79%.

SMGR: Perbaikan Pabrik Bikin Penjualan Menurun

Sepanjang semester pertama tahun ini, penjualan PT Semen Gresik Tbk (SMGR) turun dibandingkan dengan periode yang sama tahun lalu. Direktur Utama Semen Gresik, Dwi Soetjipto menyatakan, pemicu penurunan penjualan semen ini adalah mengkerutnya volume produksi akibat kegiatan upgrading salah satu pabriknya; yaitu Tuban II. Sepanjang semester I 2010, pendapatan PT Semen Gresik (Persero) Tbk sebesar Rp 6,661 triliun; anjlok dari periode yang sama tahun lalu yang besarnya mencapai Rp 6,767 triliun. Meski demikian, laba usaha meningkat dari Rp 1,914 triliun menjadi Rp 2,050 triliun. Setelah dikurangi kewajiban dan lain-lain, laba bersih perseroan meningkat tipis 7,5% dari Rp 1,527 triliun menjadi Rp 1,627 triliun.

KBRI: Bidik Dana US$50 Juta dari Right Issue

Produsen dan distributor kertas PT Kertas Basuki Rachmat Indonesia Tbk (KBRI) berencana menerbitkan saham baru (right issue) pada 2H10. Perseroan menargetkan perolehan dana US$50 juta atau sekitar Rp465 miliar. Nmaun, KBRI akan menggabungkan nilai nominal saham (reverse stock) terlebih dahulu supaya perseroan bisa memenuhi persyaratan dalam right issue. Pasalnya, harga saham perseroan di lantai bursa hanya sebesar Rp50.

AGRO: Proyeksikan Tambahan Kredit Rp196 Miliar

PT Bank Agroniaga Tbk memproyeksikan kredit bertambah Rp196 miliar pada 2H10. Realisasi kredit pada 1H10 sebanyak Rp1,90 triliun atau turun dibanding periode sama tahun lalu Rp1,94 triliun. Capaian kredit turun karena banyak debitor melunasi utang pada 1H10. Dari total kredit Bank Agro 2010, sebanyak 60% atau Rp1,26 triliun disalurkan ke sektor agribisnis dan sisanya 40% (Rp840 miliar) sektor lain.

BBRI: Targetkan KUR Baru Rp 6,5 Tahun

PT Bank Rakyat Indonesia Tbk (BRI) kian gencar menggelontorkan kredit bagi masyarakat. Untuk Kredit Usaha Rakyat (KUR), bank pelat merah ini menargetkan mampu mengucurkan kredit baru minimal Rp 6,5 triliun di akhir 2010. Adapun target maksimalnya, Direktur Kepatuhan BRI Bambang Soepeno mengungkapkan, BRI menargetkan bisa menyalurkan hingga Rp 8 triliun.

DLTA: Laba Bersih Naik 41,43%

PT Delta Djakarta Tbk membukukan laba bersih sebesar Rp71,58 miliar sepanjang semester I/2010, naik 41,43% dibandingkan dengan Rp50,61 miliar pada periode yang sama tahun lalu. Kenaikan laba bersih perseroan tersebut ditopang oleh penjualan yang tercatat naik menjadi Rp585,37 miliar dibandingkan dengan Rp576,22 miliar pada paruh pertama 2009. Beban pokok penjualan perseroan yang turun menjadi Rp113,24 miliar dibandingkan dengan sebelumnya Rp193,79 miliar, turut membantu membaiknya kinerja perusahaan tersebut. Selain itu, produsen minuman beralkohol ini juga mengantungi laba dari selisih kurs mata uang asing sebesar Rp447,62 juta, di mana pada tahun lalu mencatat kerugian kurs sebesar Rp1,78 miliar.

Earning Watch

EXCL: Laba bersih XL semester I/2010 tumbuh 87%

Laba bersih PT XL Axiata semester I/2010 tumbuh 87% dengan margin laba bersih 39,09%, jauh mengungguli capaian PT Telekomunikasi Indonesia (Persero) Tbk yang justru turun 5,4%.

Technical Picks

BSDE (840) - Trading Buy
ADRO (2050) - Trading Buy
BBTN (1960) - Trading Buy
GGRM (36300) -Trading Buy

(dro/dro)

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Inflação anual medida em Junho passado: 6,6%

A Direcção Nacional de Estatística continua a divulgar o Índice de Preços no Consumidor (IPC) com base num cabaz de compras estabelecido em 2001 e que está, por isso, já algo desactualizado.
Os números da inflação homóloga (Junho deste ano vs Junho/09) dizem-nos que os preços terão subido, em média e neste período, de 6,6%, o que é uma taxa de inflação que começa a dar alguma preocupação tanto mais que no início do ano ela era ligeiramente negativa.


A evolução do preço do arroz, da carne e da gasolina, entre outros, é parte da explicação para a evolução verificada. Alguma desvalorização do dólar face às moedas dos principais fornecedores (nomeadamente a Indonésia e a Austrália) é também parte da explicação. A tendência recente parece ser de uma certa estabilização do valor da inflação, havendo estimativas de que no conjunto do ano de 2010 ela se ficará pelos cerca de 4%.

por A. M. de Almeida Serra

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Economia é a que mais cresce na região, diz o Banco Asiático de Desenvolvimento

3-Aug-2010 - 11:44

O Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD) fez a revisão em alta do crescimento da economia de Timor-Leste em 2010, em contraste com as restantes economias do Pacífico, que deverão ter um desempenho modesto.

De acordo com os resultados da revisão económica trianual do ADB a 14 nações do Pacífico, cujo relatório foi agora divulgado em Manila, Timor-Leste regista um crescimento económico mais forte do que o esperado, impulsionado pelo aumento contínuo da despesa pública e pela melhoria da produção agrícola.

Excepções feitas a Timor-Leste (12,2 por cento nas últimas estimativas) e à Papua Nova Guiné, o BAD mantém inalterada a modesta projecção de crescimento de 0,5 por cento das economias insulares do Pacífico, em 2010, embora preveja uma ligeira melhoria para 2011, na ordem de 1,3 por cento. No caso de Timor-Leste, o crescimento é atribuído ao aumento continuado das despesas públicas, nomeadamente através de transferências de cariz social, e à melhoria da produção agrícola, fruto da importação e distribuição de tractores e de melhores práticas.

Quanto à Papua Nova Guiné, os 5,5 por cento de crescimento previstos para 2010 e 7,7 por cento para 2011 não constituem surpresa e devem-se à construção do projecto de uma unidade de processamento de Gás Natural Liquefeito, infraestrutura semelhante à que Timor-Leste também pretende vir a ter, através de um gasoduto ligado ao campo Greater Sunrise.

O BAD salienta no seu relatório que os atrasos na fase de construção condicionam as previsões para 2011, que poderiam ainda ser mais optimistas.

A valorização superior ao esperado de produtos de exploração madeireira, cacau, peixe e óleo de palma levam também aquela entidade a corrigir de 2 por cento para 3,5 por cento o crescimento económico das Ilhas Salomão, em 2010.

A quebra generalizada das receitas do turismo e atrasos na implementação de programas de investimento público são factores que deverão afectar as performances das Ilhas Cook, Kiribati, Nauru, Tonga e Vanuatu. Salvam-se as Ilhas Fiji, que aparentemente conseguem manter-se como destino turístico em crescimento.

O relatório trianual do BAD lança um sério aviso quanto às tendências inflacionárias na região, marcadas pela vulnerabilidade à flutuação dos preços dos produtos petrolíferos. Devido à crise pós-aumento dos preços mundiais do petróleo, a inflação deverá atingir 5,9 por cento, na região do Pacífico, em que o factor de insularidade encarece o preço dos combustíveis. "O combustível e os preços dos serviços são muito altos na maioria dos países do Pacífico.

Este é um problema que pode ser resolvido através de políticas que aumentem as pressões competitivas e promovam a eficiência ", conclui Robert Wihtol, director geral do Departamento do Pacífico do ADB

Balança de Pagamentos de Timor-Leste (sumário), 2008 e 2009

por A. M. de Almeida Serra

quinta-feira, 29 de julho de 2010

A Economia de Timor Leste pelos olhos do ANZ

O ANZ é um dos maiores bancos da Austrália, com agência em Dili. Publicou em Maio, no seu boletim de análise das economias do Pacífico, a sua análise sobre a economia de Timor Leste. Veja abaixo o referido documento.
Datado de Maio, os estado estão agora um pouco desactualizados mas cremos que, ainda assim, vale a pena divulgar esta informação.



por A. M. de Almeida Serra

terça-feira, 13 de julho de 2010

Xangai 2010: Ausência de paz exclui possibilidade de desenvolvimento integrado – Ramos-Horta

Xangai, China 13/07/2010 13:41 (LUSA)
Temas: Política, Sociedade

*** Serviço vídeo e áudio disponíveis em www.lusa.pt ***
Sílvia Reis, enviada da Agência Lusa

Xangai, China, 13 jul (Lusa) – O presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, disse hoje na Expo 2010, em Xangai, na China, que a ausência de paz exclui qualquer possibilidade de desenvolvimento integrado das cidades.
“Obviamente, quase se pode dizer que conflitos, ausência de paz excluem qualquer possibilidade de desenvolvimento integrado, sustentável, que possa levar ao progresso social, melhoria de vida das populações”, afirmou José Ramos-Horta.
Na conferência de imprensa após as cerimónias oficiais do dia de Timor-Leste na exposição universal, o Prémio Nobel da Paz salientou ainda que a “paz é condição ‘sine qua non’ para o desenvolvimento”.
Questionado sobre se a paz deveria ser tema de uma futura exposição universal, o chefe de Estado timorense referiu o papel das Nações Unidas, da União Europeia e de outras organizações para a consolidação da paz no mundo.
“A essência da existência da ONU, a sua razão de ser, ‘raison d’être’, é a preservação da paz no mundo, portanto é uma instituição permanente, assim como a União Europeia”, declarou, acrescentando que a UE “surge após a segunda guerra com enorme sucesso”.
Ramos-Horta apontou ainda a tarefa da União Africana ou da organização dos países de América Latina, que “existem, precisamente, para preservar a paz”.
“Felizmente é um tema permanente, mas também infelizmente”, comentou, reconhecendo que apesar de “60 anos de esforços feitos por muitos em todo o mundo, esses esforços não têm sido coroados de êxito, porque os conflitos continuam em muitos pontos do mundo”.
Já no discurso que proferiu a propósito do dia de Timor-Leste na Expo 2010, Ramos-Horta destacou o crescimento económico do país, que considerou ser um testemunho da resistência e dos esforços para melhorar a qualidade de vida da população.
O Presidente timorense manifestou ainda o desejo de que o país possa seguir o exemplo da China, que conseguiu uma taxa extraordinária de desenvolvimento e, ainda, proteger o ambiente através de energias alternativas e de uma prudente gestão de recursos.
Realçando que a sobrevivência do planeta está ameaçada pela destruição das florestas tropicais, o degelo dos glaciares ou pelos gases com efeito de estufa, Ramos-Horta reconheceu que as alterações climáticas “são um dos, senão o maior desafio” que o mundo enfrenta.
O chefe de Estado, o primeiro de língua portuguesa a visitar a Expo 2010, apelou ainda para que a Ásia assuma a liderança na luta contra a “enorme ameaça” que são as alterações climáticas, justificando com o facto de vários países deste continente, particularmente a China, mostrarem como é possível ter prosperidade e estabilidade sem destruição dos ecossistemas.
Com o lema “Esteja connosco, esteja com a natureza”, Timor-Leste é a segunda nação mais recente presente na Expo 2010, depois de Montenegro.
A exposição, dedicada ao tema “Better City, Better Life” (Melhores Cidades, Melhor Qualidade de Vida), conta com a participação de cerca de 240 países e organizações internacionais.
*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***
Lusa/Fim

Xangai 2010: Relações entre Timor-Leste e China “excelentes em todos os domínios” – Ramos-Horta

Xangai, China 13/07/2010 14:04 (LUSA)
Temas: Economia, Negócios e Finanças, comércio externo, Política, Diplomacia

*** Serviço vídeo e serviço áudio disponíveis em www.lusa.pt ***
Sílvia Reis, enviada da Agência Lusa
Xangai, China, 13 jul (Lusa) – O Presidente de Timor-Leste afirmou hoje que as relações com a China “são excelentes em todos os domínios”, salientando que o país de língua portuguesa tem sido “beneficiário de muita ajuda” do gigante asiático.
“Temos relações de estado, conduzidas pelos dois respetivos governos, assentes nos princípios que os dois governos subscrevem de respeito mútuo, de respeito pela nossa independência, integridade territorial, cooperação mútua para beneficio da paz, estabilidade na região”, disse José Ramos-Horta em Xangai, na China, onde hoje participa no dia de Timor-Leste na Expo 2010.
O chefe de Estado adiantou que as relações entre os dois países “alargaram-se para outros domínios”, como a economia, anotando que “a China hoje tem uma presença significativa em Timor-Leste na área de investimentos”.
A este propósito, deu o exemplo a participação da China num investimento de 400 milhões de dólares americanos que pretende levar eletricidade a todos os distritos de Timor-Leste até dezembro de 2011.
Ramos-Horta apontou ainda a aquisição de embarcações à China para a “defesa marítima” de Timor-Leste, sendo que o contrato com a empresa chinesa inclui formação a elementos das forças armadas timorenses.
O chefe de Estado acrescentou que as relações comerciais de Timor-Leste são, “naturalmente” e, “sobretudo, com os países vizinhos mais imediatos”.
“A maior parte do nosso comércio é por exemplo com a Indonésia, com a Austrália e, cada vez mais, com a China na compra de produtos de consumo, mas também de equipamento”, notou, considerando que as relações comerciais com os estados da Comunidade dos Países Língua Portuguesa (CPLP) “são muito limitadas pela distância grande que separa Timor-Leste de Portugal ou do Brasil”.
Ramos-Horta admitiu que através do Fórum CPLP-China, sediado em Macau, “procura-se incentivar ainda mais as relações da China com a CPLP”, mas observou que “essas relações fazem-se mais no plano bilateral do que através de algum organismo multilateral ou regional”.
“Veja as relações da China com Portugal ou hoje da China com Angola, não se faz via o Fórum CPLP em Macau, faz-se via bilateral”, referiu.
Segundo o presidente timorense, “o fórum talvez seja muito mais útil, prático, para em parceria com as embaixadas de cada país em Beijing [Pequim] de dar informações para os investidores chineses sobre o potencial dos mercados em cada país da CPLP”.
“Pode ajudar nesse sentido de disseminação de informações de cada país ou de disseminação de informações da China para cada um dos países da CPLP”,
acrescentou Ramos-Horta.
*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***
Lusa/Fim

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Situação actual em Timor Leste pelos olhos da La'o Hamutuk

A La'o Hamutuk divulgou recentemente uma apresentação sua em que sintetiza o que considera serem, sob a sua perspectiva, os traços principais da actual situação económica em Timor Leste. Independentemente de concordarmos ou não com a caracterização feita pensamos que vale a pena divulgar aqui este documento até porque nele se sintetizam algumas informações que podem ajudar o leitor a fazer o seu próprio juízo sobre a realidade do país.
por A. M. de Almeida Serra

quinta-feira, 8 de julho de 2010

A Terceira Depressão

Paul Krugman

Recessões são comuns; depressões são raras. Até onde sei, houve somente duas eras na história da economia que foram amplamente descritas como “depressões” na época: os anos de deflação e instabilidade que se seguiram ao Pânico de 1873 e os anos de desemprego em massa que acompanharam a crise financeira de 1929-31.

Milhares de grevistas gregos protestaram contra as medidas exigidas pela UE e pelo FMI
Nem a Longa Depressão do século 19, nem a Grande Depressão do século 20 foram eras de um declínio contínuo – pelo contrário, ambas incluíram períodos em que a economia cresceu. Mas esses episódios de melhora nunca foram suficientes para desfazer o prejuízo da crise inicial, e foram seguidos de recaídas.

Temo que agora estejamos nos estágios iniciais de uma terceira depressão. Ela provavelmente se parecerá mais com a Longa Depressão do que com a Grande Depressão, que foi muito mais grave. Mas o custo – para a economia mundial e, acima de tudo, para os milhões de pessoas arruinadas pela falta de emprego – será imenso.

E esta terceira depressão será, basicamente, um fracasso de política. Em todo o mundo – mais recentemente no extremamente desanimador encontro do G20 do último fim de semana – os governos estão obcecados com a inflação, quando a verdadeira ameaça é a deflação, pregando a necessidade de apertar os cintos, quando o verdadeiro problema são os gastos inadequados.

Em 2008 e 2009, parecia que tínhamos aprendido com a história. Ao contrário de seus predecessores, que elevaram as taxas de juros diante da crise financeira, os atuais líderes do Federal Reserve e do Banco Central Europeu cortaram os juros e passaram a apoiar os mercados de crédito. Ao contrário dos governos do passado, que tentaram equilibrar orçamentos diante de uma economia em declínio, os governos de hoje permitiram que os deficit aumentassem. E melhores políticas ajudaram o mundo a evitar o colapso total: pode-se dizer que a recessão trazida pela crise financeira terminou no verão passado.

Mas futuros historiadores nos dirão que isso não foi o fim da terceira depressão, assim como a recuperação econômica que começou em 1933 não foi o fim da Grande Depressão. Afinal, o desemprego – especialmente o desemprego a longo prazo – permanece em níveis que teriam sido considerados catastróficos há alguns anos, e não dá sinais de diminuir tão cedo. E tanto os Estados Unidos como a Europa estão se encaminhando para cair em armadilhas deflacionárias como as do Japão.

Diante desse quadro sombrio, você poderia esperar que os responsáveis pelas diretrizes políticas percebessem que ainda não fizeram o suficiente para promover a recuperação. Mas não: nos últimos meses, houve um surpreendente ressurgimento da ortodoxia do equilíbrio orçamentário e da moeda forte.

No que diz respeito à retórica, o ressurgimento da antiga doutrina é mais evidente na Europa, onde autoridades parecem usar argumentos dos discursos de Herbert Hoover, inclusive a afirmação de que elevar impostos e cortar gastos na verdade expandirá a economia, ao aumentar a confiança nos negócios. Mas em termos práticos, os Estados Unidos não estão se saindo muito melhor. O Fed parece ciente dos riscos de deflação – mas o que ele propõe fazer a respeito desses riscos é, bem… nada. A administração Obama entende os perigos de uma austeridade fiscal prematura – mas como os republicanos e os democratas conservadores do Congresso não autorizarão uma ajuda adicional aos governos estaduais, essa austeridade virá de qualquer jeito, na forma de cortes orçamentais em níveis estaduais e municipais.

Por que se erra o caminho na política? Os radicais muitas vezes mencionam as dificuldades enfrentadas pela Grécia e outras nações na periferia da Europa para justificar suas ações. E é verdade que investidores de títulos dependiam de governos com deficit incontroláveis. Mas não há nenhuma evidência de que uma austeridade fiscal a curto prazo, diante de uma economia deprimida, tranquilizará investidores. Pelo contrário: a Grécia concordou em adotar um plano severo de austeridade, mas viu seus riscos se ampliando cada vez mais; a Irlanda efetuou cortes radicais nos gastos públicos, mas foi tratada pelos mercados como um risco pior que a Espanha, que relutou bem mais em adotar a solução dos radicais.

É como se os mercados financeiros entendessem o que os responsáveis pelas diretrizes políticas aparentemente não entendem: que, embora a responsabilidade fiscal a longo prazo seja importante, cortar gastos no meio de uma depressão, que aprofunda essa depressão e abre caminho para a deflação, na verdade é autodestrutivo.

Então não acredito que isso tenha a ver de fato com a Grécia, ou com qualquer apreciação realista das trocas entre deficit e empregos. Na verdade é a vitória de uma ortodoxia que pouco tem a ver com análises racionais, cujo principal dogma é que, em tempos difíceis, é preciso impor sofrimento aos outros para mostrar liderança.

E quem pagará o preço desse triunfo da ortodoxia? A resposta é: dezenas de milhões de trabalhadores desempregados, dos quais muitos permanecerão sem emprego por anos, e alguns nunca mais voltarão a trabalhar.

Tradução: Lana Lim
Fonte: UOL Economia -
http://economia.uol.com.br/

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Ainda o acordo com a Millenium Challenge Corporation

Veja aqui uma tradução para português da introdução ao tema do acordo entre a MCC e Timor Leste feita pela La'o Hamutuk. O original em inglês está aqui.

"Millenium Challenge Corporation"

A Millenium Challenge Corporation, uma agência estatal dos Estados Unidos criada para aumentar o envolvimento do país na ajuda internacional, divulgou a 26 de Maio passado um boletim de imprensa dando notícia de um financiamento a Timor Leste no montante de 10,5 milhões de USD para financiar programas de vacinação de crianças e de luta contra a corrupção.A La'o Hamutuk criou hoje uma página na web para divulgar informações sobre este projecto de ajuda americana a Timor Leste. Veja-o aqui, sff.
por A. M. de Almeida Serra

Aprovado o Orçamento rectificado para 2010

Veja aqui a notícia, sff
"O Parlamento de Timor-Leste aprovou em 26 de Junho, por 39 votos a favor, 21 contra e quatro abstenções, o Orçamento Retificativo proposto pelo governo, que prevê um aumento de quase 178 milhões de dólares (145 milhões de euros)."

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Timor-Leste/Lusofonia: Oportunidades de negócio a nível da construção civil, turismo e exploração petrolífera

Lisboa, 23 jun (Lusa) -- O vice-presidente do Conselho Empresarial da Câmara de Comércio e Indústria de Timor-Leste lembrou hoje que o país apresenta atualmente "oportunidades de negócio excecionais" em áreas como a construção civil, turismo ou na exploração mineira e petrolífera.
No entanto, Loureno de Oliveira advogou que essas oportunidades devem ser "exploradas com base em dois fatores principais: a transferência da tecnologia e a participação dos empresários nacionais nos grandes investimentos".
Dirigindo-se a uma plateia de empresários chineses e lusófonos, no âmbito do XVI Encontro para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, que decorre até quinta feira em Lisboa, o responsável apelou ao investimento na "pequena e jovem" nação asiática.